Receba as notícias do montesclaros.com pelo WhatsApp
montesclaros.com - Ano 25 - terça-feira, 28 de maio de 2024

Mural

Jornalismo exercido pela própria população

Deixe sua notícia neste Mural, clique aqui para enviar

Mensagem N°87091
De: Manoel Hygino Data: Terça 28/5/2024 09:44:34
Cidade: Belo Horizonte

Saúde de ponta

Manoel Hygino

É um longo tempo – 125 anos, sobretudo quando se trata de uma instituição filantrópica, que passa invariavelmente por sucessivos e numerosos desafios para sobreviver e que sobrevivam seus pacientes, quando se trata de hospital ou assemelhado. Pois este tempo foi vencido e comemorado pela Santa Casa com celebração ecumênica em ação de graças no dia 21 de maio, no salão nobre do Hospital de Alta Complexidade 100% SUS, como agora identificado.

Presidido o ato religioso pelo Capelão, padre Carlos Alberto Amaral, e pelo pastor presbiteriano, Jorge Eduardo Diniz, com participação do coral Voz e Coração, da instituição, viveu-se uma manhã de profunda emoção, quando se entregou a Medalha Dr. Aloysio Andrade de Faria, Benfeitor da entidade, “reconhecendo o trabalho de pessoas, entidades e empresas que prestam relevantes serviços à sociedade no campo assistencial, em todo o país”.

Receberam a honrosa distinção: o procurador do município, Hércules Guerra; o professor e pesquisador Marcus Vinícius Gomez; a médica oncologista clínica dra. Maria Nunes Álvares; o médico e ex-chefe do Serviço de Cirurgia Pediátrica da Santa Casa BH, Moacir Tibúrcio (homenagem póstuma em que foi representado por sua viúva Vera Lúcia Leonardi Tibúrcio e pelo filho Arthur Emílio Leonardi Tibúrcio); o médico e ex-secretário de Atenção Especializada à Saúde do Ministério da Saúde, Helvécio Magalhães Júnior; o empresário Pedro Lourenço de Oliveira, representado pela diretora de Marketing dos Supermercados BH, Kátia Andrade; e a voluntária e filantropa Maria Christina (Titita).

O provedor Roberto Otto Augusto de Lima, na oportunidade, destacou a evolução da Santa Casa BH em mais de um século de atuação, e enfatizou o trabalho da instituição nos seus 125 anos de vida, coincidindo com o lançamento de uma campanha publicitária reafirmando o compromisso com a cidade, o estado e o país, sob o mote “sonhos não envelhecem” e se mantendo o princípio de “uma grande ideia com a vontade desmedida de fazer bem ao próximo”.

Finalizou o provedor: “Chegamos a 2024 como o hospital que mais realiza internações no país. Além disso, recebemos pacientes de mais de 90% dos municípios mineiros, somando 3,4 milhões de atendimentos por ano e contamos com 1.153 leitos. Somos, ainda, reconhecidos pela excelência e por sermos referência nacional em alta complexidade, em Oncologia, Cirurgia Cardíaca, Neurocirurgia, partos de alto risco e transplantes”, entre outros.

Siga pelo Twitter @montesclaroscom Inscreva-se aqui para receber o Maillist
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a

Mensagem N°87090
De: José Ponciano Neto Data: Segunda 27/5/2024 23:59:49
Cidade: Montes Claros- MG  País: Brasil

TÉO AZEVEDO GANHA HOMENAGEM DO INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO DE MONTES CLAROS.

Escritores – historiadores e poetas do Instituto Histórico e Geográfico de Montes Claros (I.H.G.M.C.), celebrou neste sábado 24/05 as memórias de Téo Azevedo, artista Alto-belano que se tornou famoso por disseminar a cultura popular nas principais emissoras de rádio e televisão do Brasil.

O evento que promoveu à homenagem, foi conduzida pelo o presidente do I.H.G.M.C. escritor José Francisco Lima Ornelas e a escritora Mara Yanmar Narciso, ambos acompanhados pela a ilustre Lola Chaves.

A programação do evento incluiu as “palinhas” dos cantores Luciano Pacco e Nillo Rocha Sanfoneiro – um verdadeiro show!

Na sequência, o repentista Carlos Azevedo - sobrinho do Téo Azevedo - externou o sentimento de união que o tio – ilustre - tinha pela família Azevedo. Citou a capacidade de Téo articular as palavras, e como conquistou a admiração de artistas famosos como: Rolando Boldrin; Sérgio Reis; Inezita Barroso; Bobby Keys do grupo Rolling Stones, Carlos Drummond de Andrade, Luiz Gonzaga e outros.

Carlos, também discorreu sobre a vida dura da Dona Clemência e do “seu” Teófilo (Tiófo) pra criar os filhos, principalmente Dona Clemência que ficou viúva muito cedo. Citou impossibilidade de os filhos frequentarem a escola durante a infância, porém, isso não diminuiu a admiração que Téo Azevedo tinha pelas palavras.

Carlos Azevedo enfatizou as dificuldades financeiras que o “seu tio” Téo Azevedo enfrentou, devido ao vício com as jogatinas de baralho e como eles peregrinavam pelas feiras dos bairros e centro de São Paulo para vender seus cordéis.

Depois foi a vez da viúva Lola Chaves cantar “Ternos Pingo de saudades” ao som do acordeom de Nillo Rocha Sanfoneiro, logo, sem muito detalhes - de forma categórica discorreu a sua vida com o Téo Azevedo - lembrou da satisfação da posse dele no Instituto Histórico e Geográfico de Montes Claros. – Lola Chaves revelou um dos ressentimentos do Téo Azevedo – o fato de nunca ter sido convidado para apresentar nas Exposições Agropecuária de Montes Claros. Com toda razão! Téo Azevedo era muito mais original para esses tipos de eventos!

Finalizando, sua sobrinha Raquel Souto Chaves exteriorizou a sua satisfação de está naquela tarde de cultura. – “Hoje aprendi muito com todos vocês”. - Diz.

Para este escriba, Téo Azevedo foi um grande conhecedor da cultura, história e geografia - transformou esse conhecimento em versos que encantou todo país e o mundo – basta tomar conhecimento dos prêmios internacionais que ele conquistou. Entender as letras que tanto me cativam, é uma dádiva!

A principal função do Téo Azevedo, era, acima de tudo, disseminar a cultura do “repente” na sociedade.

- Obrigado mestre do fundo dos nossos corações!

XXVII – V – MMXXIV
José Ponciano Neto é Escritor e Historiador - Membro do Instituto Histórico e Geográfico de Montes Claros - Membro da Academia Maçônica de Letras do Norte de Minas e Colunista Literário no Site: montesclaros.com

Siga pelo Twitter @montesclaroscom Inscreva-se aqui para receber o Maillist
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a

Mensagem N°87089
De: Manoel Hygino Data: Sábado 25/5/2024 07:12:41
Cidade: Belo Horizonte

Prevendo 2025

Manoel Hygino

Minas vai bem, obrigado? Ou vai mal? Não desejo fazer intervenção na situação econômica-financeira, que é problema de centenas de autoridades do alto nível da administração pública. Mas só a famosa dívida mineira junto à União já deixa certeza de que as coisas não andam tão bem como se desejaria.

Sabe-se que o Executivo faz das tripas o coração para ver se consegue equacionar os cerca de R$ 160 bilhões da dívida. E a União, como se sabe e se constata, não perdoa. Agora que se tomou conhecimento do Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias, visando o exercício de 2025, também se vê que há muito ainda a pagar à frente.

O PLDO, encaminhado à Assembleia Legislativa, prevê um rombo menor do que o de 2024. É algo que merece ênfase. A redução se revela inferior à de 2024 em 53,7%. Algo expressivo, sem dúvida, mas que não diminui a angústia para o ano que vem. O governo, contudo, é objetivo e sincero ao declarar que a “situação fiscal é delicada”.

A dinheirama a ser utilizada vem dos impostos, é claro. É histórico e legal, embora a chiadeira generalizada, sobretudo dos que ganham pouco. O gasto previsto para 2025 é superior a R$ 133,2 bilhões, mostrando um de 8% em relação ao orçamento deste exercício. E não há como desviar dos compromissos.

As despesas obrigatórias são muitas e pesadas, a começar do pagamento de salários do funcionalismo o público e encargos sociais. Só estes exigem 82,9% do total e atingem, como estimado, R$ 78,6 bilhões.

Mas há mais: as despesas constitucionais, como pagamento dos pisos salariais da saúde e educação estão avaliados em R$ 12,9 bilhões. Tudo, tudo, tem de sair do bolso do cidadão. Falar em dívida pública no Brasil, em que as demandas são imensas e sempre crescentes, é algo que causa desgosto e inquietação.

O cenário do Regime de Recuperação Fiscal, já homologado, não permite sorrisos, mas se considerando a expectativa de diminuição da expectativa de pagamento do serviço relativo aos contratos administrados pela União, com quem o estado tem vultosa dívida de R$ 160 bilhões, para a qual não se chegou a um consenso.

Muita água vai passar debaixo da ponte ainda. O que se espera é que não se venha a sofrer como o Rio Grande do Sul. Lá, depois das enchentes e da destruição, há a sujeira, uma terrível ruína, que ainda resta a enfrentar.

Siga pelo Twitter @montesclaroscom Inscreva-se aqui para receber o Maillist
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a

Mensagem N°87088
De: Manoel Hygino Data: Terça 21/5/2024 09:02:03
Cidade: Belo Horizonte

Acontece por aqui

Manoel Hygino

Ouço incessantemente queixas contra ao serviço público de um modo geral, a ineficiência dos órgãos incumbidos de zelar pelo bem-estar e tranquilidade do cidadão e da população. Os mineiros protestam contra o que se deve fazer hoje e se deixa para amanhã. Os problemas, que são meros problemas, se tornam desafios aparentemente insolúveis.

A despeito das promessas, não se cumprem integralmente os compromissos assumidos pelas autoridades. Já nem se fala no pagamento dos juros da dívida de Minas com a União que fica para as calendas, embora os esforços dos que têm o dever de dar-lhe solução. Há o sentimento generalizado de que não se pode mais adiar, mas não se encontra solução adequada.

Os efetivos resultados dos trabalhos da CPI da Pampulha estão adiados e tampouco se sabe qual será o próximo passo. Enquanto isso, acumulam-se as reclamações e protestos pelo mau cheiro aos visitantes da região. Simultaneamente, ouvem-se comentários esplêndidos sobre o Conjunto Arquitetônico reconhecido mundialmente e motivo de orgulho dos mineiros.

Vamos levando.

Não podemos queixar-nos. Depois de 18 anos, o Brasil voltou a ter um caso de cólera confirmado. É uma doença bacteriana transmitida principalmente por água e alimentos contaminados pela bactéria Cholerae, causando sintomas como diarreia e vômito. Aconteceu na Bahia, em que choveu barbaridade no final de abril.
E houve mais. A Polícia Federal do Pará descobriu um banco utilizado para lavagem de dinheiro proveniente do tráfico internacional de drogas. Os donos do estabelecimento foram identificados como responsáveis por movimentações financeiras milionárias, envolvendo pessoas físicas e jurídicas, muitas delas laranjas e empresas de fachada.

Enquanto uma cantora de nome internacional, cujos méritos não se restringem à voz, conseguia levar mais de um milhão e meio de pessoas a sua apresentação em Copacabana, uma catástrofe no Sul brasileiro levou muitos outros milhares ao desespero, ao desamparo, às dores de falta de abrigo e alojamento, se bem que contando- felizmente- com milhões de conterrâneos solidários e dispostos a bem ajudar.

No Rio Grande, contudo, enquanto tantos se esforçam num mutirão sem fim em favor dos irmãos, muitos fora da lei continuam no seu afã criminoso de saquear, roubar, estuprar, ofendendo todos os que fazem parte desta sociedade. Ainda bem que ainda existem os bons e solidários.

Siga pelo Twitter @montesclaroscom Inscreva-se aqui para receber o Maillist
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a

Mensagem N°87087
De: José Ponciano Neto Data: Domingo 19/5/2024 20:25:23
Cidade: Montes Claros- MG  País: Brasil

Glacial-lândia - 19 de maio de 2024

Depois de cerca de trinta e cinco dias sem chuvas, choveu copiosamente na cidade de Glaucilândia (foto), desde às 17h45min até as 19:00h.

Os que creem em Deus agradecem a benevolência do Senhor que, ao permitir a chuva, renovando a vida na terra. A natureza também agradece, neste caso, em muitos casos os jardins das praças; as matas e os pastos.

No meado deste Maio chegou com chuva em Glaucilândia; Mandacaru; Mimoso; Borá e na cercania de São José do Alto Belo

Oh! Chuva, sei que estás sobre o corpo do poeta. Esta água sagrada irá trazer um inverno intenso e poético na gélida região, conforme as previsões da terra.

Que vontade de tomar um banho d’água do céu! Mas, também, não sou mais aquele menino do bem-estar de outrora.

XIX - V - XXIV
José Ponciano Neto é Técnico em Meio Ambiente e Recursos Hídricos

Siga pelo Twitter @montesclaroscom Inscreva-se aqui para receber o Maillist
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a

Mensagem N°87086
De: Afonso Cláudio Data: Sábado 18/5/2024 15:32:03
Cidade: Montes Claros/MG

Maio amarelo; perigos na MGC-135 !

Entre 14/5/2024 e 17/5/2024, viajando de Montes Claros a Mirabela e vice-versa, pela MGC-135, mais uma vez vimos vários buracos nessa rodovia, dos quais nem sempre se consegue desviar de todos, o que pode provocar fortes choques mecânicos nos pneus, com riscos de danos às rodas e outras partes do carro.

Pode ocorrer também descontrole da direção, às vezes inevitável pelo motorista, podendo resultar em algum acidente e eventuais feridos e/ou vítimas fatais.

Assim sendo, fica o alerta aos motoristas e passageiros que transitarem por essa rodovia, ou em outras semelhantes, ou em piores condições, a título de prevenção de acidentes e suas consequências para os usuários das mesmas e os veículos envolvidos.

Dirijam com prudência e atenção, obedecendo à sinalização, em velocidade compatível com as condições da rodovia.

A mensagem 86479, de 12/10/2022, também mostrou os riscos de acidentes na MGC-135, entre Montes Claros e Mirabela, com alertas aos seus transeuntes.

Saúde e paz.

Afonso Cláudio - Engenheiro
18/5/2024, 15h14m - véspera de Pentecostes

Siga pelo Twitter @montesclaroscom Inscreva-se aqui para receber o Maillist
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a

Mensagem N°87085
De: Manoel Hygino Data: Sábado 18/5/2024 07:45:20
Cidade: Belo Horizonte

Esperando o porvir

Manoel Hygino

Violentos tremores de terra na Turquia, tsunamis, no Japão, abalos na crosta da China, incêndios enormes na Austrália, erupções de vulcões na Europa, tempestades de neve no hemisfério Norte são manifestações da natureza que os brasileiros pensavam que só aconteceriam bem longe. Não é assim e a catástrofe, que atinge o Rio Grande do Sul, e diz alto que também estamos sujeitos aos caprichos geológicos. No estado sulino, grande produtor de bens que servem à mesa de nosso povo e engordam a nossa pauta de exportação agrícola, vive-se um período de calamidade, cujas repercussões se estenderão à economia e a toda a nação, não se sabe até quando e quanto.

Os dados fornecidos pelas autoridades sobre a catástrofe são alarmantes e ainda não são definitivos, mas alertam a população de que somos iguais aos demais países e agentes espalhados por imensos territórios.
Caminha-se para 150 pessoas mortas, de acordo com a Defesa Civil. E quando a somatória de caos chegará ao término? Ninguém poderia dizê-lo. Os desalojados totalizam mais de 340 mil, e 150 desaparecidos. As chuvas duram duas semanas e afetam quase dois milhões de irmãos gaúchos, em mais de 400 municípios.

Milhares já foram alvos, além de animais recolhidos a lugares protegidos, mas tudo isso é apenas um pouco da tragédia iniciada praticamente em setembro do ano passado e só temporariamente interrompida. Jamais, naquele território especialmente querido nos mais de 8 mil quilômetros quadrados, tantos sofrem e tanto sofrem.

Solidariedade não tem faltado, mas incomoda especialmente o imprevisível. Não se trata, ademais, de um problema simplesmente brasileiro. As gerações de agora reconhecem que as perspectivas são mais graves, o que se avaliará nos próximos dias, enquanto o sr. Putin ameaça o planeta com ferramentais bélicos nucleares.

Esperemos, ao contrário, que a catástrofe ao Sul e outras tragédias fecundem a solidariedade e aprendizagem de novas lições e práticas no horizonte. Como proclamou, há poucos dias, Dom Walmor Oliveira de Azevedo, cardeal-arcebispo de Belo Horizonte: “A lição da catástrofe no Rio Grande, sem perder a referência amarga de tantas outras, é um convite urgente a renovar o diálogo, com inteligência e boa vontade para efetivar propostas do modo como se está construindo o futuro do planeta”.

Siga pelo Twitter @montesclaroscom Inscreva-se aqui para receber o Maillist
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a

Mensagem N°87084
De: Manoel Hygino Data: Quarta 15/5/2024 08:52:13
Cidade: Belo Horizonte

A morte de Nava

Manoel Hygino

Completam-se 40 anos. Na noite de 13 de maio de 1984, no Rio de Janeiro, suicida-se o escritor Pedro da Silva Nava, com um tiro na cabeça após receber um misterioso telefonema.

Havia transcorrido menos de 30 anos do suicídio de Getúlio Vargas, que dera fim à vida mas com um tiro coração, na manhã de 24 de agosto de 1954, em seu dormitório no Palácio do Catete, após reunião com seus mais graduados auxiliares e no ápice de uma crise política.

Médico inovador, juiz-forano, Pedro Nava, memorialista dos maiores a que Minas serviu de berço, ele começa as mais de 5 mil páginas de obra jamais concluída, parafraseando Eça de Queiroz: “Eu sou um pobre homem do Caminho Novo das Minas dos Matos Gerais. Se não exatamente da picada de Garcia Rodrigues, ao menos da variante aberta pelo velho Halfeld e que, na sua travessia pelo arraial do Paraibuna, tomou o nome da Rua Principal e ficou sendo denominada a Rua Direita da Cidade de Juiz de Fora. Nasci nessa rua, número 179, em frente à Mechanica, no sobrado onde reinava minha avó materna. E nas duas direções apontadas por essa que é hoje a Avenida Rio Branco hesitou a minha vida”. A literatura brasileira perdeu naquela noite de domingo um de seus mais importantes nomes, o memorialista Pedro Nava. Ele foi encontrado morto com um tiro na cabeça, na rua da Glória, no Rio, perto de onde morava. Segundo a polícia, foi suicídio. Ele completaria 81 anos de idade em junho.

Mineiro, médico, companheiro de Carlos Drummond de Andrade na vanguarda modernista, amigo dos mais importantes personagens do mundo cultural do País, até 1972 Nava só havia publicado poemas esparsos. Naquele ano, editou seu primeiro livro ("Baú de Ossos"), ao qual se seguiram mais cinco. Sua sétima obra ("Cera das Almas") já estava praticamente concluída.

Foi possível recompor os últimos passos de Nava. Na noite de domingo, em seu apartamento na rua da Glória, ele terminou de escrever o discurso que deveria pronunciar na Assembleia Legislativa do Rio, no dia 23, quando receberia o título de Cidadão Fluminense. Mostrou o discurso à mulher, d. Antonieta, e jantou normalmente. Por volta das 20 horas, o telefone tocou e a esposa atendeu, uma voz de homem perguntava por Pedro Nava. Este ouviu em silêncio o que a voz lhe dizia e depois desligou. À mulher, ele informou apenas tratar-se de um trote de mau gosto. Às 22 horas, dona Antonieta foi ao banheiro. Nava então saiu, sem avisá-la (segundo a família, "fugiu"). Mais tarde, foi visto sentado à calçada, parecendo abatido em meio ao movimento de prostitutas e travestis. Às 23h30, o tiro, disparado de um velho revólver calibre 32, do próprio Nava.

Em entrevista concedida à "Folha" em junho anterior, em seu 80° aniversário, ele dissera “ter pensado várias vezes no suicídio, mas que o fato de ser médico o protegera, até ali, contra o ato”.

Siga pelo Twitter @montesclaroscom Inscreva-se aqui para receber o Maillist
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a

Mensagem N°87083
De: José Ponciano Neto Data: Quarta 15/5/2024 16:17:40
Cidade: Montes Claros- MG  País: Brasil

BARRAGEM DE JURAMENTO DO SISTEMA VERDE GRANDE

15 MAIO 2024

Barragem de Juramento, unidade do Sistema Verde Grande está com 94,39 % da sua capacidade total, com o nível 80,0 centímetros abaixo da cota de transbordo.

Dados compilados das estações pluviométricas das três micro bacias que contribuem para a Barragem de Juramento: Rio Canoas – Rio Saracura e Rio Juramento registraram 1.109,0 milímetros(mm) de chuvas de Outubro /23 a MAIO de 2024. - O mês de Maio acumula 6,5 mm.

A cidade de Montes Claros (foto) possui 417.478 habitantes que são abastecidos por seis captações, sendo: Rio São Francisco em Ibiaí-MG > Barragem de Juramento MG > captação superficial do Rio Pacuí em Coração de Jesus > Lapa Grande (11,0 % do abastecimento) > Rebentão dos Ferros (Nova Esperança) e Barragem dos Porcos (KM 6,5 - BR 365) – além uma vasta bateria de poços profundos (conhecidos como artesianos) – estas captações distribui diariamente 95,04 milhões de litros.

O numero de captações existentes para abastecer Montes Claros-MG, deixa a cidade na condição, das mais bem servidas entre as cidades de porte médio/grande do Brasil.

Contudo, segundo o Instituto Trata Brasil em recente pesquisa, mostra que dos 1.100,0 litros captados nas referidas captações - 47,06 % da água tratada é perdida. Tornado a cidade umas das mais vulneráveis do Brasil ao desperdiço de água por parte da empresa. No ranking nacional Montes Claros – MG indica que tem um dos índices de perdas mais altos do Brasil.

Perda de água na distribuição e na produção, induz o aumento de tarifa ao consumidor.

Todos institutos de pesquisa mercadológica, visam estabelecer uma hierarquização, empregando vários indicadores; dentre eles o desempenho físico dos sistemas - universalização e outros de caráter financeiro.

A Copasa investi milhões em captações, enquanto as gestões desperdiçam água pelo ralo.

XV – V - XXIV
José Ponciano Neto é Técnico em Recursos Hídricos /Meio Ambiente – Ex- Supervisor de Gestão de Barragens e supervisor de Estação Climatológica com tanques Classe A – Membro do Instituto Histórico e Geográfico de Montes Claros -IHGMC e da Academia Maçônica de letras do Norte de Minas.

Siga pelo Twitter @montesclaroscom Inscreva-se aqui para receber o Maillist
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a

Mensagem N°87082
De: Manoel Hygino Data: Terça 14/5/2024 09:00:12
Cidade: Montes Claros

Rodas contra câncer

Manoel Hygino

Se há uma área médica a que Belo Horizonte e, por extensão, Minas Gerais dá especial atenção, é a do câncer. O que aqui se fez, desde as primeiras décadas do século passado no combate à doença, até hoje das que mais matam no mundo, é quase inacreditável, considerando que a capital fora inaugurada em dezembro de 1897.

Os profissionais vinham de fora, até porque aqui não havia faculdades de medicina, além de que especialização era coisa raríssima. Somente em 1919, o câncer passou a preocupar. Um grupo de profissionais começou a reunir-se na casa de Ezequiel Dias (ele era cunhado de Oswaldo Cruz) para tratar do assunto, e médicos de alta reputação compareciam para discutir o que se podia fazer. Entre eles, estava – por exemplo – Eduardo Borges da Costa, carioca com dois anos de formado e cheio de entusiasmo. Na noite em que aqui desembarcou, a cidade repleta, ele teve de dormir numa mesa de bilhar no Grande Hotel, porque não havia vaga nem em hospedarias.

No dia seguinte pela manhã, foi à Santa Casa, único lugar de assistência médica e ao provedor Júlio Veiga declarou que queria trabalhar e não ganhar nada. Imediatamente atendido, assumiu de pronto a chefia de Clínica Cirúrgica, onde permaneceu até o final da vida, gloriosa – posso afirmar. Foi importante sua atuação nos meios políticos, conseguindo a constituição de uma comissão para tratar do assunto junto ao presidente de Minas, Artur Bernardes. E mãos à obra.

Em 1922, o Instituto do Câncer foi inaugurado, com a capital e o Estado pioneiramente à frente de toda a América; um júbilo ainda hoje não comemorado com a merecida relevância. Aqui enfim, estava o Instituto, honrando nossa Medicina e a classe médica, o espírito público nas montanhas. Belo Horizonte se equiparava a Paris.


Em 2023, a filantrópica pôs também a serviço da população a Unidade Móvel de Saúde Oncológica SUS, com uma carreta que percorre as cidades de Minas Gerais para exames de mamografia, raio X e atendimentos multiprofissionais na área de câncer, focando ainda a educação, prevenção e identificação de casos de alta suspeição em crianças, adultos e idosos.

Roberto Otto Augusto de Lima, o provedor, no dia do início de trabalho da Unidade, afirmou: “Um marco simbólico para a Santa Casa BH, pois recentemente a gigante da saúde do estado passou por um reposicionamento institucional e tornou-se uma causa: saúde de ponta para todos, e essa causa não cabe mais dentro do prédio.

“Ela é maior do que a própria instituição. E, agora, mais do que nunca, não cabe no hospital, a Santa Casa BH ganhou rodas e vai para as estradas, levando saúde a quem precisa. Vamos levar prevenção e tratamento para toda Minas Gerais. É algo tangível nesta nossa causa”.

Siga pelo Twitter @montesclaroscom Inscreva-se aqui para receber o Maillist
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a

Mensagem N°87081
De: José Ponciano Neto Data: Domingo 12/5/2024 09:49:34
Cidade: Montes Claros- MG  País: Brasil

ADEUS A TÉO AZEVEDO – “UM GÊNIO DA ARTE, UM DOS GRANDES POETAS DO NOSSO TEMPO”

Muitas personalidades e colegas quiseram se despedir do escritor ainda em vida, relembrando seu talento e seu eterno legado no campo das letras; mas sua comorbidade restringiu as visitas ao leito do hospital.

O mundo das letras está de luto. O brilhante bocaiuvense Teófilo Azevedo Filho (Téo Azevedo) nasceu em São José do Alto Belo distrito de Bocaiúva – era e vai continuar – subjetivamente - sendo para este escriba o maior declamador de poesia catrumana; cantor; produtor; repentista; compositor; radialista e influenciador da arte brasileira – tinha 71 anos de carreira artística.

Téo Azevedo já compôs mais de 2.400 músicas gravadas por diversos artistas e como cordelista nem ele mesmo sabia o número exato de cordéis de sua autoria – dizia em torno de 1000 edições.

Como artista, Téo Azevedo abrangeu o nome da sua terra natal para o mundo – com o álbum “Salve Gonzagão 100 anos", venceu o Grammy Latino 2013, premiação realizada no centro de eventos do cassino Mandalay Bay, de Las Vegas, nos Estados Unidos. Além disso, um dos seus trabalhos – “Grande Selvagem” (CD) - foi reproduzido na Alemanha para toda a Europa.

Téo não tinha estilo específico – produzia de tudo (um máximo); foi fundador do Terno de Folia de Reis de Alto Belo e idealizador da festa de Reis em São José de Alto Belo. Com o sobrinho Rodrigo (in memoriam) faziam as violas falarem – Téo sofreu muito com a trágica morte deste sobrinho; sempre se emocionava ao comentar.

Téo Azevedo nos deixou aos seus 80 anos e 10 meses. Seu traspasse ocorreu em Montes Claros, cidade que dividia as residências com São José de Alto Belo. Serão muitos os sinais de carinho que o artista vai receber com palavras sinceras e condolências que o lembram como um dos autores de maior sucesso.

Posso afirmar acerca deste meu confrade: perdemos um dos nossos maiores escritores, poeta e repentista e produtor fonográfico - soube captar a sensibilidade humana através das suas narrativas, das suas poesias e do seu teatro.

Que a sua literatura continue a inspirar-nos e a perdurar! Era notório que a condição humana do Téo Azevedo se transformava em poesia e a sua sensibilidade era transformada em palavras.

Sentiremos falta dele, mas suas palavras ficarão para sempre no papel e nas nuvens.

Acredito que com o passar do tempo poderemos apreciar o que significou para o mundo da literatura e até mesmo dramaturgia mineira a figura de Téo Azevedo. Téo também era dramaturgo exemplar, era provocativo e inteligente. - Téo Azevedo já foi até pugilista! Ainda na adolescência chegou a ser tricampeão mineiro.

Téo Azevedo era um verdadeiro “Amansador de burro bravo” já passou por tudo que a vida artística proporciona – de bom e de ruim.

De Cândido Canela e Téo Azevedo (letra e música) compuseram uma das mais bonitas toadas “Ternos pingos da saudade” - “Pôr de um sol amortecido / Tardes mortas do sertão”.

Téo deixa filhos e filhas e a sua eterna esposa Maria de Lourdes Chaves, a carismática Lola Chaves, filha do compositor João Chaves - maior seresteiro e conspícuo do grupo de seresta “João Chaves”.

Téo Azevedo era de uma família de artistas e seresteiros, começou com seu pai, “seu Tiófo” depois seus irmãos: Beatriz Azevedo (seresteira) – Arnaldo Azevedo (Arnaldo Maravilha, eterno rei momo dos nossos carnavais) – Antônio Augusto (in memoriam) – o sobrinho poeta Carlos Azevedo.

Vamos sentir saudades dos nossos happy hour na Comunidade Rural de Mandacaru (Km 19- MG 308) e/ou em Glaucilândia – paradas obrigatórias no trajeto Montes Claros / Alto Belo.

Uma prosa sem vaidades - a voz rouca era a sua marca registrada; suas histórias com Cândido Canela; Lola Chaves; Inezita Barroso; Jackson Antunes; “Maribondo Chapéu”; Padre Paulinho; Valdo e Vael; Rolando Boldrin; Wanessa Ferreira (TV Aparecida); Rodrigo Azevedo (seu sobrinho); Ternos de folias e muitos outros - era uma verdadeira aula de cultura e comprometimento.

Este menestrel sertanejo eternizou o linguajar e a cultura mineira por meio das suas histórias em crônicas; músicas; cordéis e livros. Perdemos muito!

XI – V – MMXXIV
José Ponciano Neto é Escritor e Historiador - Membro do Instituto Histórico e Geográfico de Montes Claros - Membro da Academia Maçônica de Letras do Norte de Minas e Colunista Literário no Site: montesclaros.com

Siga pelo Twitter @montesclaroscom Inscreva-se aqui para receber o Maillist
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a

Mensagem N°87080
De: Manoel Hygino Data: Sábado 11/5/2024 07:15:03
Cidade: Belo Horizonte

Drama no Sul

Manoel Hygino

A já longa tragédia que se abateu sobre o Rio Grande do Sul nos deixa a todos em sofrimento, se é que somos um povo efetivamente irmão e solidário. Procurei transmitir os sentimentos de que me achava possuído, e me lembrei do nome de um velho tango argentino: “Sin palavras”. Como definir numa palavra única a dor que desabou amplamente pelo nosso estado mais ao Sul?

Catástrofe talvez a mais indicada, porque corresponde a uma grande desgraça, lembrando que o profeta Jeremias expressou sua angústia com a destruição de Jerusalém pelo exército dos caldeus de Nabucodonosor, em 587 antes de Cristo.

A descrição nos leva a ver diante dos olhos extensas regiões de terras gaúchas nos dias de abril e maio. A rua entulhada de destroços do Templo, dos prédios públicos e casas particulares. E, quando Jerusalém ficou deserta, o profeta Jeremias assentou-se a chorar e lançar gritos de dor, as chamadas Lamentações.

O ministro Edson Fachin, gaúcho de nascimento, fez como Jeremias, expressando profunda preocupação com a situação catastrófica do estado, após visitar Porto Alegre e Canoas, ao lado de Lula e outras autoridades dos três poderes.

Vice-presidente do STF, Fachin comparou o impacto da tragédia a uma “Bomba atômica” da natureza, ressaltando que o estado enfrenta uma crise humanitária, social, econômica e ambiental sem precedentes. Ele enfatizou a importância da cooperação entre todas as esferas do Judiciário e dos poderes, incluindo União, Estado e Municípios para enfrentar a situação crítica. Finalmente, destacou a urgência de implementar um regime jurídico emergencial, similar à época da pandemia, para lidar com os desafios decorrentes da catástrofe.

Numerosas estradas estão fechadas ou interrompidas. O aeroporto Salgado Filho deve permanecer com atividades suspensas até o final de maio.

A Abear informou, também, que os aeroportos das cidades de Passo Fundo, Caxias do Sul, Pelotas e Santo Antônio ainda estão operando, mas podem ser impactados pelas condições meteorológicas no estado, onde chove há vários dias. “A Abear se solidariza com a população do Rio Grande do Sul e, junto com as suas associadas, se mantém à disposição para contribuir com ações de logística para viabilizar o transporte de doações”.

Mais de uma centena de mortos, o dobro de feridos e desaparecidos. As chuvas voltaram e o grande medo agora são dos que fazem saques e roubos nas áreas atingidas.

Siga pelo Twitter @montesclaroscom Inscreva-se aqui para receber o Maillist
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a

Mensagem N°87079
De: Afonso Cláudio Data: Quarta 8/5/2024 15:04:31
Cidade: Montes Claros/MG

Tragédias brasileiras

g1/RS, 3/5/2024: "Em menos de um ano, quatro desastres climáticos atingiram o Rio Grande do Sul.
Em 2023, três eventos ocorreram em junho, setembro e novembro, deixando 80 mortos..."

Fiz um levantamento de 13 tragédias ocorridas entre 1966 e 2023, abaixo citadas, tendo encontrado os seguintes resultados:

Números de mortos:
Enchentes, deslizamentos de terra e temporais: 2.325 (66,4%)
Outras causas: 1.178 (33,6%)
Total: 3.503 (100,0%)

A grande maioria das mortes devidas às enchentes, deslizamentos de terra e temporais desse levantamento ocorreu nos Estados do Rio de Janeiro e São Paulo:
2.325 - 132* = 2.193 / 2.325 = 94,3%

*Estados de Pernambuco e Alagoas.

Item / Data / Tragédia / Mortos / Local / Obs.

1 1966 Enchentes na Cidade do Rio de Janeiro 250 RJ
2 1967 Temporal de 21/2/1967 > 300 RJ
3 1967 Enchentes e deslizamentos de terra em Caraguatatuba ~450 SP
4 1974 Incêndio no Edifício Joelma 187 São Paulo
5 17/7/2007 Colisão do Vôo 3054 da TAM 199 Vôo Porto Alegre - São Paulo
6 janeiro/2011 Enchentes e deslizamentos na região serrana do RJ 918 (milhares de leptospiroses) ~30 mil pessoas desalojadas e desabrigadas
7 27/01/2013 Incêndio boate Kiss 242 (636 feridos) Santa Maria RS
8 5/11/2015 Rompimento da barragem de Mariana 19 Subdistrito Bento Rodrigues MG (1 milhão de pessoas afetadas)
9 2016/2017 Surto de febre amarela 261 Brasil
10 25/1/2019 Rompimento da barragem de Brumadinho 270 MG
11 2022 Enchentes e deslizamentos de terra em Petrópolis 241 (1 desaparecido) RJ
12 28/1 a 2/2/2022 Inundações e deslizamentos de terra no Estado de SP 34 2400 famílias desabrigadas; frente fria e ZCAS
13 23/5 a junho/2022 Enchentes e deslizamentos no Nordeste do Brasil 132 PE e AL

Fontes:
1) BBC News Brasil, SP, 18/2/2019 - "Impunidade; 5 grandes tragédias brasileiras em que ninguém foi responsabilizado."
2) BBC: itens 5, 6, 7, 8 e 10.
3) Wikipédia: itens 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 9, 10, 11, 12 e 13.
4) g1/RS, 3/5/2024 (título).

Globo News, 8/5/2024, 12h42m: "Chega a 100 o número de mortos após enchentes no RS.
1,4 milhão de pessoas foram atingidas; previsão é de chuva e frio para hoje."

Dizem vários especialistas que os fortíssimos desastres climáticos, como vários aqui mencionados, tendem a ocorrer com maior frequência, devido ao desequilíbrio ambiental produzido pelo aquecimento global, desmatamentos, incêndios florestais etc., podendo gerar outras tragédias, em outras regiões do Brasil e de outros países.

A prevenção de acidentes tão graves, através de obras ligadas à infraestrutura de escoamento das águas pluviais, da defesa civil e militar e da assistência social, que contribuam para maior segurança das populações, torna-se cada vez mais importantíssima e deve ser exercitada de forma ágil e eficaz.

Que o Pai Nosso nos livre de todo mal.

Saúde e paz.

Afonso Cláudio - Engenheiro
8/5/2024, 14h47m

Siga pelo Twitter @montesclaroscom Inscreva-se aqui para receber o Maillist
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a

Mensagem N°87078
De: Manoel Hygino Data: Quarta 8/5/2024 08:45:35
Cidade: Belo Horizonte

O apelo de Maduro

Manoel Hygino

Fica-se imaginando o que serão as eleições na Venezuela, sobretudo porque a hora se aproxima e ninguém segura o tempo. O pleito será no apagar das luzes de julho próximo e ninguém sabe o que a ditadura de Nicolás Maduro poderá tramar até lá. Esse “negócio” de ocupar altos cargos públicos deve ser bom para os candidatos, caso contrário ninguém estaria tão disposto a disputá-los.

No caso específico da Venezuela, a Coordenação Nacional, alinhada ao presidente, anunciou a inabilitação política de mais cinco opositores ao regime, o que dá ideia do tipo de democracia que se pratica no país ao Norte.

Ao longo dos mais recentes meses e anos, Nicolás Maduro vai afastando sistematicamente todos aqueles que querem apresentar-se como candidatos. Nenhum dos que manifestaram desejo e propósito do ilustre titular do palácio, sobrou. Caracas é uma cidade que já foi muito boa para nela se morar.

A lista já extensa de líderes que perderam o direito político antes do processo eleitoral vai-se avolumando e o nome de Maduro é o único intocável, por motivos óbvios. O episódio me desperta para o que aconteceu com Putin, o presidente da Rússia, que tem o mesmo desvelo pelos que pretendem o voto dos patrícios.

Na recente eleição no país do Norte, Vladimir Putin pediu aos compatriotas que votassem para demonstrar patriotismo. Disse com a maior caradura: “Peço que compareçam para votar e expressem a sua posição cívica e patriótica, que votem no candidato de sua escolha, pelo futuro da nossa amada Rússia”, disse Putin em um discurso exibido pela televisão pública russa.

“Participar nas eleições é demonstrar seus sentimentos patrióticos”, acrescentou Putin, candidato à reeleição. “Estou convencido de que compreendem o período difícil que o nosso país atravessa, os difíceis desafios que enfrentamos em praticamente todas as áreas”.

Como se tinha certeza, o eleitorado atendeu ao pedido do titular do Kremlin. Será mais um mandato para o camarada Vladimir, que já deve estar sonhando com mais um período de governo, quanto terminar o que ainda sequer começou.

Depreende-se que tanto no alto do mundo, bem no Norte, se tem igual voracidade de poder como no hemisfério Sul. O antecessor do atual mandatário venezuelano poderia melhor manifestar-se sobre o tema. Se não tivesse sido cerceado pelo câncer, que agora fere profundamente o Mujica no Uruguai, Hugo Chávez daria a resposta. Infelizmente, já partiu, há muito.

Siga pelo Twitter @montesclaroscom Inscreva-se aqui para receber o Maillist
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a

Mensagem N°87077
De: Manoel Hygino Data: Terça 7/5/2024 08:27:06
Cidade: Belo Horizonte

A hora de Mujica

Manoel Hygino

O Uruguai volta novamente, com destaque, aos principais jornais do Brasil... E do mundo. Desta vez, não para informar que políticos brasileiros ou de outras nações sul-americanas tivessem pedido asilo ou lá se refugiaram. Apesar do pequeno território – menos de 180 mil quilômetros quadrados– quando ditaduras no hemisfério sul apertavam, para lá fugiam os perseguidos. Basta se dar uma volta ao passado para confirmar.

Imprensado entre Brasil e Argentina, pressionado por ambos em momentos decisivos da história, lideranças de outros povos procuravam asilo nos pampas ao sul do arroio Chuí e de outras regiões limítrofes. Páginas heroicas do solo oriental foram escritas, de que muito se orgulham os poucos milhões de uruguaios, que sempre lutaram em defesa de seu território, de suas riquezas e da concretização de projetos e sonhos. Na monarquia ou na república brasileira, foi assim.

Até o século XVII, a região do atual Uruguai era habitada pelos índios charruas, chamaés e guaranis, cujas tribos também habitavam por aqui.

Em 1680, os portugueses criaram uma colônia em Sacramento, mas foram expulsos pelos espanhóis que, em 1726, fundaram São Felipe de Montevidéu.

Daí em diante, portugueses, espanhóis e uruguaios, estarão sempre em guerra para ver com quem ficaria o rico quinhão. Os blancos e colorados acirram o ambiente, do lado dos partidos nacionais. Entra a França na disputa. Em apoio ao caudilho colorado Venâncio Flores, o Brasil intervém enquanto o próprio Uruguai passa a integrar a Tríplice Aliança, ao lado do Brasil e Argentina, na Guerra do Paraguai. Complicado. Em determinado período, o território é anexado ao Brasil, numa espécie de estado, com o nome de Província Cisplatina. Era 1821.

José Mujica, ex-guerrilheiro que governou o país de 2010 a 2014, conquistou prestígio no continente. Agora está gravemente enfermo, de uma doença imunológica há mais de 20 anos e, desde o final de abril de 2024, com câncer complexo.

Há poucos dias, em seu gabinete em Montevidéu, foi claro e peremptório, falando aos jovens: “Vocês que a vida é bela e passa, vai embora, e o cerne da questão, ter sucesso na vida, é recomeçar toda vez que alguém cai. Se há raiva, que a transformem em esperança e lutem pelo amor, não se deixem enganar pelo ódio. Se as drogas os pegarem, não fiquem sozinhos, ninguém se salva sozinho. A única liberdade que existe está na cabeça e chama-se vontade, e se não a usarmos não somos livres. A vida é tão bonita que não faz sentido sacrificá-la pela estupidez”.

Siga pelo Twitter @montesclaroscom Inscreva-se aqui para receber o Maillist
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a

Mensagem N°87076
De: José Ponciano Neto Data: Segunda 6/5/2024 17:19:13
Cidade: Montes Claros- MG  País: Brasil

HOTEL SANTA CRUZ – 78 anos.
Montes Claros sempre foi uma cidade de bons hotéis e de uma culinária pra lá de boa.

Diante do fato de ter nascido e criado nesta metrópole do setentrião mineiro, tenho a obrigação de sempre valorizar a memória de Montes Claros.

No século passado Montes Claros já contava com bons hotéis, dentre eles, o Hotel São José – recentemente destruído para dar lugar uma garagem – tínhamos o Hotel São Luiz (hoje o prédio da Copasa) e o ainda ativo Hotel Santa Cruz.

O Hotel Santa Cruz inaugurado no dia 02 de maio de 1946 (há 78 anos) – situado à Rua Lafetá – esquina com a Rua Simeão Ribeiro até à esquina da Rua Altino de Freitas, foi construído pelo Sr. Custódio R. Pinheiro. Segundo o historiador Nelson Viana, suas instalações foram abençoadas pelo o então Cônego Marcos Van In, numa concorrida festa.

O Hotel Santa Cruz era muito ocupado, seus hospedes eram os grandes representantes comerciais, pilotos de avião e fazendeiros da região. Um hotel privado, a poucos passos de distância da Praça Dr. Carlos, que contava com seus grandes canteiros de flores – assim como a Praça da Matriz.

Não tinha o “glamour” do Hotel São José, mas era um dos mais populares de Montes Claros – com dois andares - o rés-do-chão, estão lojas comerciais. Tinha uma sala para cafés, almoço e jantar; banhada de luz, contígua a uma cozinha equipada.

No primeiro e segundo andares quartos e másters suítes, com suas imponentes varandas – um luxo para a época. – Perto, ficava o esnobe da culinária - o restaurante do Sr. Valério, em cima do bar e restaurante Cristal – o restaurante Intermezzo – em frente ao hotel a palhoça Chopão do Sr. Biondi – o “boteco raiz” Tip-top do popular Vivaldo Gomes “porreta”; logo à frente, na mesma rua, um cassino para os adeptos aos jogos.

Hoje continua funcionando, inclusive, ali, ainda reside um dos mais articulado da sociedade montes-clarense. O hotel ainda resiste diante do avanço da rede hoteleira moderna.
Vamos ver até aonde vai a história...

VI – V – XXIV
José Ponciano Neto é Escritor e Historiador - Membro do Instituto Histórico e Geográfico de Montes Claros - Membro da Academia Maçônica de Letras do Norte de Minas e Colunista Literário no Site: montesclaros.com

Siga pelo Twitter @montesclaroscom Inscreva-se aqui para receber o Maillist
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a

Mensagem N°87075
De: Manoel Hygino Data: Sábado 4/5/2024 10:20:02
Cidade: Belo Horizonte

Acerto de conta

Manoel Hygino

Sem contar novidade, a recente afirmativa do presidente Marcelo Rebelo de Sousa, de Portugal, a jornalistas estrangeiros, foi clara, incisiva e incontestável. Na noite de quarta-feira, 24 de abril deste fluente ano de 2024, o chefe da nação lusa declarou peremptoriamente a correspondentes estrangeiros em Lisboa que “Portugal assumia total responsabilidade” pelos erros do passado e que os crimes incluem massacres, e tiveram “custos”. “Devemos arcar com os custos”, concluiu o raciocínio.

É alto de eminentemente sério, partindo de um chefe de Governo, mas não é a primeira vez que Rabelo de Sousa se manifesta sobre um tema tão candente, tão velho e, simultaneamente, tão atual. Em abril de 2023, ele já dissera que o país deveria desculpar-se e assumir sua responsabilidade pelo comércio transatlântico de escravizados. Por sinal, na época, ele foi o primeiro líder de uma nação do sul da Europa a sugerir tal atitude.

E avançou mais na exposição de seu ponto de vista: “pedir desculpas às vezes é a coisa mais fácil de fazer. Você pede desculpas, vira as costas e o trabalho está feito”, declarou então. Desta vez, foi mais longe e profundamente: mencionou o dever de uma reparação, repetindo que “pedir desculpas é a parte mais fácil”.

Afirmou de modo indiscutível: “Há ações que não foram punidas. E os responsáveis não foram presos? Há bens que foram saqueados e não devolvidos? Vamos ver como podemos reparar isso”. Vê-se que o presidente assume, neste ano que se aproxima da metade, um grande papel perante sua pátria, perante o Brasil e de relevância supranacional.

Os periódicos que cuidaram do assunto encontraram subsídios fartos, e obviamente o Brasil poderá muito explorá-lo.

Por mais de quatro séculos, milhões de africanos foram sequestrados, transportados à força em navios por comerciantes principalmente europeus e vendidos como escravos. Aqueles que sobreviveram à viagem acabavam trabalhando em plantações nas Américas, em especial no Brasil e no Caribe. Portugal teve um papel importante nesse sistema, já que traficou quase seis milhões de africanos, mais do que qualquer outra nação europeia. Até agora, porém, falhou em confrontar seu passado.

A própria declaração de Rebelo no ano passado foi marcada por uma ponderação contraditória que romantiza o modelo escravocrata. Na ocasião, o presidente português disse que a colonização do Brasil também teve fatores positivos, como a difusão da língua e da cultura portuguesa. “Mas, do lado ruim, a exploração dos povos indígenas, o sacrifício dos interesses do Brasil e dos brasileiros”, disse.

Siga pelo Twitter @montesclaroscom Inscreva-se aqui para receber o Maillist
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a

Mensagem N°87074
De: Afonso Cláudio Data: Quarta 1/5/2024 14:14:51
Cidade: Montes Claros/MG

I) Campanha Maio Amarelo 2024

A Polícia Rodoviária Federal iniciou ontem esta campanha com ações nas principais rodovias do país, pela paz no trânsito.

Nos últimos 5 anos mais de 27.000 pessoas morreram em acidentes nas rodovias federais brasileiras, sendo uma média de 5.400 pessoas por ano.

O recado da PRF é que as tragédias podem ser evitadas se houver mudança de comportamento no trânsito.

As causas principais dos acidentes são excesso de velocidade, ultrapassagens perigosas ou simplesmente falta de atenção.

As ações preventivas terão como objetivos motoristas, pedestres, motociclistas e ciclistas.

II) Ranking da OMS

O Brasil é o 3º país que mais registra mortes no trânsito terrestre.

Segundo relatório da Organização Mundial de Saúde (OMS), o Brasil só "perde" para a Índia e China no que se refere a mortes em vias e rodovias.

Conforme o Ministério da Saúde, o Brasil registrou os seguintes números de mortes nos acidentes nesses locais:

Ano / Acidentes
2019 32.667
2020 32.716
2021 33.813 (aumento de 3,5% em 3 anos)
2022 31.174 ("declínio tímido")

Populações dos 3 países com os maiores registros de mortes no trânsito terrestre:

Índia 1,428 bilhão
China 1,425 bilhão
Brasil 203 milhões

Ainda de acordo com os dados do Ministério da Saúde, os motociclistas são as principais vítimas nas vias e rodovias do nosso país, seguidos dos automóveis e pedestres.

A faixa etária mais vulnerável está entre 20 e 59 anos.

Fontes: g1/JH, 30/4/2024; Uai/EM, 05/8/2023 e "Metrópoles" (20/11/2023).

Saúde, paz e bênçãos do Senhor.

Afonso Cláudio - Engenheiro
01/5/2024 - São José Operário, Dia do Trabalho

Siga pelo Twitter @montesclaroscom Inscreva-se aqui para receber o Maillist
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a

Mensagem N°87073
De: Manoel Hygino Data: Quarta 1/5/2024 10:30:17
Cidade: Belo Horizonte

Bom para o Brasil

Manoel Hygino

Não é de hoje nem de ontem que temos advertido para os problemas que a siderurgia brasileira atravessava. Parece incrível que, tantas décadas após a nação ter criado e desenvolvido um setor econômico tão importante, enfrentando o desafio no mercado internacional, ainda estivéssemos a clamar para que a produção alcançasse os níveis desejados, necessários e indesviáveis.

Mais recentemente, o ingresso da China no mercado internacional resultou em abalo enorme nos preços, fazendo tremer nossas contas e perspectivas. Finalmente, transpôs-se a barreira e a situação começa a clarear. É uma bela hora, enfim. O Instituto Aço Brasil, que representa as siderúrgicas brasileiras, deu aval à medida providencial aprovada pela União.

Com aplauso, a entidade avalizou a decisão do governo federal de implantar uma cota para importação de produtos siderúrgicos e sobre- taxar em 25% o volume de compras externas que extrapolam o teto. Demorou, mas saiu. Na penúltima semana de abril, o Comitê Executivo da Câmara de Comércio Exterior, Camex, colegiado do governo federal, aprovou a medida. Finalmente.

A decisão ocorre depois que as empresas siderúrgicas nacionais protocolarem pedido para aumentar a alíquota do Imposto de Importação dos diversos produtos ligados ao aço para o percentual referido. Foi o período de uma gestação humana. Nove meses de negociação para resolver-se uma situação predatória para o aço aqui produzido, onde se extrai o minério. Quase a fórceps, mas enfim.

O setor se comprometeu a retomar investimentos previstos e manter os empregos nas siderúrgicas, que estavam ameaçados pelo aumento da importação de aço, principalmente da China. O setor aporta, em média, R$ 12 bilhões por ano no Brasil. Valores médios para manutenção das unidades fabris, mas que podem crescer de acordo com os novos projetos. Grandes empresas como Usiminas, Gerdau, Arcelor e Aperam têm planos de investimentos bilionários em curso, boa parte deles em Minas Gerais. Durante os nove meses de tratativas entre o setor e o governo federal para impor essa sobretaxa ao produto importado, esses investimentos foram colocados sob risco.

Agora se espera que a China não volte com novas propostas que comprometam tão valioso setor. Chegamos com algum atraso ao ponto atingido. Não é de bom alvitre nem sensato voltar no tempo, o que representaria uma grande perda em uma área da economia a que o Brasil se acha vocacionado historicamente.

Siga pelo Twitter @montesclaroscom Inscreva-se aqui para receber o Maillist
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a

Mensagem N°87072
De: Manoel Hygino Data: Terça 30/4/2024 08:35:14
Cidade: Belo Horizonte

Nova instituição

Manoel Hygino:

José Fernandes Filho atuou com admirável distinção nos altos cargos que exerceu na vida pública de Minas. No Executivo como secretário de Estado ou na magistratura, deixou lições e registros de dignidade em bem servir. É exemplo e lição de vida, que servem de rumo e caminho para os cidadãos que formam a sociedade mineira.

Integrando hoje a Academia Mineira de Letras, pela qual têm também passado homens ilustres e merecedores do respeito de seus cidadãos, publicou ele, há poucos dias, um depoimento pessoal que merece registro, como ora faço. José Fernandes Filho, meu confrade na Academia, relata que teve um sonho real, afetivo, induvidoso. Do qual acordara feliz, a compensá-lo dos pesadelos, que o acicatam. “Ao abrir-me uma janela ensolarada, quase redentora. Não grandioso tal o sonho de Luther King de acabar com a segregação social em seu país”. Conta:

“Sonhei, aos 94 anos com a criação de alguma instituição, cuja clientela fosse apenas e tão somente de carentes e necessitados. Pessoa jurídica, a prestar serviços gratuitos, integrada por seres humanos sedentos de um rumo para a vida. Instituição singular, fundamentada na firme convicção de que a vida só tem sentido quando a serviço dos outros”.

Adiante: “Do sonho à realidade: colegas com iguais preocupações, angustiados, prisioneiros da velhice, companheiros de caminhada. Convocados, refletimos, conversamos. Sabedoria, todos, de que a vida é o exercício do possível. Não fazemos o que deveríamos fazer nem o que gostaríamos de fazer, mas o que podemos fazer.

A despeito disso, a vida é bela. Basta adicionar-lhe uma pitada de sol, pessoal e intransferível, para espancar-lhe a escuridão”.

O ex-presidente do Tribunal de Justiça de Minas Gerais afirma ter companheiros certos em seu projeto e cita alguns nomes dos que já estão a seu lado: “ Não por acaso vieram ao mundo Seabra Fagundes, Mandela e tantos outros, testemunhos vivos de que a vida merece ser vivida.

Arraigada crença na economia do bem, aqui estamos, eu, João Luiz, Gutemberg e João Baptista, embarcados na benfazeja nave da esperança. Visionários, ingênuos, inocentes?. O tempo responderá. Outros serão bem-vindos. O barco é espaçoso, capaz de a todos acolher. É conhecido, por isso, como nave-mãe.

Realistas, verazes, determinados, os quatro reiteram: conviver, viver com, é bênção e desafio. Aquela, fruto da confidencialidade, ínsita nas amizades duradouras. Este, a exigir dos confidentes total transparência, revelados como efetivamente são, na santa nudez da verdade”.

Siga pelo Twitter @montesclaroscom Inscreva-se aqui para receber o Maillist
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a

Mensagem N°87071
De: Manoel Hygino Data: Segunda 29/4/2024 09:21:20
Cidade: Belo Horizonte

Joaquim Cardoso

Manoel Hygino

Mesmo expirando abril, mesmo olvidando Joaquim Cardozo, não se esquece Brasília, cujo aniversário de inauguração como capital nacional se festejou sem especiais festejos no dia 21 deste mês, em que honramos a memória e sacrifício de Joaquim José. Mesmo o Tiradentes, por motivos sabidos e compreensíveis, não recebeu a homenagem sempre merecida.

Ao lado de Niemeyer, por exemplo, esteve Lúcio Costa, arquiteto, que se encarregou do conceito urbanístico da cidade-parque, hoje plenamente consolidado. Competiu-lhe, também conforme Luiz Carlos Azevedo, projetar a Torre de TV e a Rodoviária do Plano Piloto, marco Zero da capital: É por ela que a vida dos moradores do Distrito Federal se conecta com a arquitetura monumental. “Brasília é fruto da imaginação diante das pranchetas e dos cálculos de engenheiros projetistas”.

Aí entra Cardozo, o grande calculista das principais obras da cidade e poeta que o Brasil praticamente desconhecia. Seu nome foi lembrado neste 2024, em versos de João Cabral de Melo Neto e na prosa de Imprensa: "O que seria da luz de Brasília sem seu traçado e o concreto armado, em meio ao cerrado? Sim, a luz de Cardozo veio do Recife e lembra Velásquez, mas encontrou seu espaço no cálculo dos grandes palácios que encantam o mundo e faz do Plano Piloto uma cidade única e até hoje futurista. São de Joaquim Cardoso os cálculos estruturais da maioria dos prédios icônicos da capital federal, que hoje completa 64 anos”.

Eleito governador de Minas, Israel Pinheiro, terminada a missão anterior de presidir a Comissão Construtora da nova capital nacional, ao aproximar-se o final do mandato, desejava também erguer no bairro Gameleira, em Belo Horizonte, um Pavilhão de Exposições. Mostrar-se-ia tudo o que o Estado produzia e o mais que pretendia. O projeto era de Niemeyer e os cálculos evidentemente de Joaquim Cardozo. Tudo se fazia como a legislação determinava e consoante as normas de engenharia, com cálculos de Cardozo, o maior do Brasil, o que tornara viável a metrópole mais moderna do planeta.

Tudo rigorosamente acompanhado pelo próprio governador, que pela manhã, dia a dia, auscultava o engenheiro responsável sobre a consecução do projeto.

Inesperadamente, o Pavilhão desabou. Sem explicações. No Palácio dos Despachos, na Praça da Liberdade, reuniões sucessivas, presentes diretores de construtoras se disponibilizando a qualquer colaboração. Muitos mortos, feridos. Joaquim Cardozo, respondeu à Imprensa. Nada a fazer. Não conteve as lágrimas. Poetas - além de fazer versos - choram.

Siga pelo Twitter @montesclaroscom Inscreva-se aqui para receber o Maillist
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a

Mensagem N°87070
De: Afonso Cláudio Data: Sexta 26/4/2024 14:23:04
Cidade: Montes Claros/MG

Prevenção de acidentes de trânsito terrestre

Conforme a mensagem 86968, de 3/1/2024, 400 acidentes de trânsito em rodovias, zonas urbanas e rurais, resultaram em 264 mortos e 679 feridos, a partir de informações publicadas pelo montesclaros.com, g1.com.br/grandeminas e uai.com.br ("Estado de Minas"), entre 18/2/2022 e 31/12/2023.

Concluí hoje, 26/4/2024, o levantamento de mais 100 acidentes de trânsito, publicados entre 2/1/2024 e 25/4/2024, baseado nas mesmas fontes acima citadas, que resultaram em 91 mortes e 199 feridos.
Portanto, em 26 meses ou 2 anos e 2 meses, entre 18/2/2022 e 25/4/2024, os totais são:
500 acidentes, 355 mortos e 878 feridos.

Infelizmente os números de mortos e feridos não param de crescer.

As sugestões e comentários sobre este assunto tão trágico e preocupante são as mesmas da mensagem 86968.

Em relação aos falecidos, suplicamos: "Dai-lhes, Senhor, o repouso eterno e brilhe para eles a Vossa luz!". Que seus amigos e familiares sejam consolados pela Misericórdia Divina.
E que os sobreviventes feridos tenham a necessária recuperação pela graça de Deus.

Afonso Cláudio - Engenheiro
26/4/2024, 14h8m.

Siga pelo Twitter @montesclaroscom Inscreva-se aqui para receber o Maillist
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a

Mensagem N°87069
De: Manoel Hygino Data: Terça 23/4/2024 10:41:04
Cidade: Belo Horizonte

Viajando pelo Brasil

Manoel Hygino

Notícias não faltam. O presidente José Sarney fez publicar em Brasília a informação relativa à agressão sofrida pela escritora Roseana Murray, atacada inesperadamente em Saquarema, por três cães de uma casa vizinha. No final, perdeu um braço e uma orelha, entre muitos ferimentos.

Aconteceu no Estado do Rio, como se vê, onde tantos absurdos acontecem. Como em Belford Roxo, na Baixada Fluminense, mais ou menos no mesmo dia. Foi quando a PM prendeu nove candidatos procurados por crimes, e que se candidatava em concurso para soldado.

De acordo com a PM, havia contra eles mandados de prisão em aberto. Um deles por homicídio ocorrido em 2016. A instituição encaminhou os nove às delegacias policiais ao término da prova. 117 mil se inscreveram as provas.

Decidi, certa vez, acompanhar o jornalista Silbert Santos Lemos à Baixada, relicário de crimes hediondos, mas também habitat de gente calma e honesta. Fomos à residência do antigo deputado Tenório Cavalcanti, o famoso homem da metralhadora que batizara como “Lurdinha”. Um encontro agradável e cordial, a despeito da contenção inicial da conversa. Falamos de tudo. Fiquei sabendo da existência e visitei a extensa biblioteca, no segundo piso, em que se destacava a obra completa de Shakespeare, predileção do parlamentar. Coisas que acontecem.

Enfim, nesse nosso país, não falta o que de bom existe para se apreciar. Lembro, com satisfação, o rio São Francisco, que já foi mais aproveitado pelos turistas. Eram viagens inesquecíveis nos vapores, porque lá não se utiliza o substantivo “navio”. Naveguei por aquelas bandas até Bom Jesus da Lapa, Bahia, a partir de Pirapora. Mesmo com possíveis encalhas, eram viagens de grande prazer. Pelos contatos com a natureza, com as populações ribeirinhas e pelo enlevo espiritual.

Todos os portos do Velho Chico são fontes de amável recordação. Como Januária, famosa por sua produção de aguardentes e pela alegria de sua gente, terra de Levínio Castilho, grande empresário da construção rodoviária.

Recebe-se agora, em abril, uma informação surpreendente. Pesquisa recente localizou no município de Januária fóssil inédito de uma cianobactéria, com aproximadamente 540 milhões de anos, batizada de Ghoshia januarensis. É algo verdadeiramente fantástico.

A descoberta lança luz sobre a evolução da vida no período Pré-Cambriano, antes até da existência de dinossauros ou animais com esqueletos, com que o Brasil se insere no mapa dos estudos sobre a evolução da vida.

Mas, há outro lado: a descoberta levanta a possibilidade da existência de reservas de petróleo na bacia sedimentar do São Francisco, onde o fóssil foi encontrado. Agora, atenção: o fóssil, de apenas 10 milionésimos de metro, só pode ser visto por microscópios eletrônicos.

Siga pelo Twitter @montesclaroscom Inscreva-se aqui para receber o Maillist
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a

Mensagem N°87068
De: Afonso Cláudio Data: Segunda 22/4/2024 17:08:04
Cidade: Montes Claros/MG

Ataques de cães muito perigosos

Além da mensagem 87053, de 7/4/2024, acrescento um resumo de 3 ocorrências, sendo uma publicada em 14/4/2024 e as outras duas em 21/4/2024, que resultaram nas mortes de 1 cão pitbull, 1 cadela shih-tzu e de 2 homens:

1) em.com.br, 14/4/2024, 20h57: "Ataque de pitbull - Pitbull mata tutor (de 30 anos) que passou mal no quintal de casa".
"Um guarda municipal vizinho da vítima matou o animal a tiros e socorreu a vítima, que não resistiu antes de ser encaminhado a uma unidade de saúde".

https://www.em.com.br/nacional/2024/04/6837947-pitbull-mata-tutor-que-passou-mal-no-quintal-de-casa.html

2) g1/Santos/SP, 21/4/2024, 05h47: "Pitbull foge de casa e mata cadela shih-tzu que passeava com tutora no litoral de São Paulo".
"Um pitbull atacou e matou uma cadela da raça shih-tzu que estava passeando com a tutora em Mongaguá, no litoral de São Paulo.
Segundo apurado pelo g1, o animal havia escapado de casa e seguido o dono até uma padaria.
O ataque foi flagrado por câmeras de segurança do estabelecimento comercial".

https://g1.globo.com/sp/santos-regiao/noticia/2024/04/21/pitbull-foge-de-casa-e-mata-cadela-shih-tzu-que-passeava-com-tutora-no-litoral-de-sp-video.ghtml

3) g1/ES, 21/4/2024: "Advogado é preso após matar vizinho em troca de tiros por causa de cachorro em Vitória".
"De acordo com o secretário de Segurança Pública, mais de 30 tiros foram disparados pelos dois homens durante discussão que terminou com a morte de Manoel de Oliveira Pepino, de 73 anos".
"Os dois eram vizinhos e se desentenderam por causa de um cachorro sem coleira.
Na manhã deste Domingo (21), o advogado passou por audiência de custódia e a Justiça converteu a prisão em preventiva".

https://g1.globo.com/es/espirito-santo/noticia/2024/04/21/advogado-e-preso-apos-matar-vizinho-por-causa-de-cachorro-em-vitoria.ghtml

Essas são ocorrências recentes. Com certeza, os números de outras semelhantes, somados, são muito maiores.

Reiteramos as sugestões/alertas da mensagem 87053.

A palavra-chave é prevenção e cumprimento da legislação estadual e/ou municipal.

Todo cuidado é pouco com cães violentos, principalmente os tão extremamente perigosos e letais como pitbull, fila, doberman e rottweiler.

Saúde e paz.
Que o Pai Nosso nos livre de todo mal.

Afonso Cláudio - Engenheiro
22/04/2024, 16h48m - Descobrimento do Brasil

Siga pelo Twitter @montesclaroscom Inscreva-se aqui para receber o Maillist
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a

Mensagem N°87067
De: José Ponciano Neto Data: Segunda 22/4/2024 11:26:03
Cidade: Montes Claros- MG  País: Brasil

Escritor: Landulfo Santana Prado Filho.

Não é novidade estarmos sempre deparando com pessoas que são grandes leitoras do Site: montesclaros.com e ouvintes da 98,0 FM.

São leitores que se declaram assíduos leitores e ouvintes das emissoras que compõem a Cidade do Rádio.

Quero destacar um grande escritor – servidor da Defensoria Pública em Montes Claros, Dr. Landulfo Santana Prado Filho. É um leitor do site: montesclaros.com – sempre junto a família para apreciarem as notícias “quentinhas” e principalmente leem as nossas crônicas e artigos que são os cookies que Landulfo adora no café da manhã e durante o dia afora.

Landulfo é escritor e historiador membro do Instituto Histórico e Geográfico de Montes Claros que contribui muito com a literatura catrumana e brasileira.
Já lançou vários livros, dentre eles; “Razão, Existência em Formação: Misterioso Mundo da Ciência Filosófica".

Aos nossos leitores: Agradecimentos e escusas, em especial aos nossos assíduos leitores.

Plagiando a frase de um desconhecido: “Sempre digo que chegar à perfeição seria fazer concorrência com Deus, mas podemos buscá-la e assim chegamos à excelência”

Obrigado.

XXII – IV – XXIV
(*) José Ponciano Neto é Membro do IHGMC e AMALENM

Siga pelo Twitter @montesclaroscom Inscreva-se aqui para receber o Maillist
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a

Mensagem N°87066
De: José Ponciano Neto Data: Sábado 20/4/2024 10:19:03
Cidade: Montes Claros - MG  País: Brasil

PROJETO DO HOSPITAL DO TRAUMA VOLTA VIGOROSO COM APOIO DO CONVENORTE

Há 21 anos (2013) ocorreu uma das maiores manifestação realizada pela a maçonaria em Montes Claros. Com a presença do então governador Antônio Augusto Junho Anastasia.

Na ocasião o Conselho de Veneráveis da Maçonaria (Convenorte) por meio do seu presidente Mauricio Sérgio Sousa apresentou ao governador o projeto do Hospital do Trauma a ser construído em Montes Claros.

O Hospital de Emergência e Trauma irá integrar a rede hospitalar do Norte de Minas e alguns municípios do Sul da Bahia, será também, um dos maiores hospital em referência de urgência e emergência clínica-cirúrgica e ortopédica de Minas gerais.

Nesta quinta-feira (18/04) por intermédio do ex-superintendente da Santa Casa Montes Claros, Ir.’. Samuel Figueira e do atual presidente do CONVENORTE, Ir.’. Ramon da Silva Ribas - novamente o projeto foi apresentado ao Procurador do Estado de Minas Gerais, Dr. Jarbas Soares.

O Convenorte e as Lojas Maçônicas do Norte de Minas entendem que, com alto índice de acidentes ocorridos em todo norte de minas, é hora de desempenhar o tão sonhado hospital de urgência e emergência clínica-cirúrgica e ortopédica.

Um projeto que foi idealizado pela Santa Casa de Montes Claros, agora retorna com vigor através do Convenorte e da Santa Casa. Segundo o Venerável da Loja maçônica União, Paz e Justiça e presidente do Conselho de Veneráveis da Maçonaria (Convenorte) Ir.’. Ramon da Silva Ribas: - “estou ciente que agora, com apoio da Santa Casa e do procurador Dr. Jarbas Soares - que é filho do norte de minas - vamos realizar nosso sonho.” – Diz.

Em 2015 o projeto chegou a ser licitado, mas estancou nas vias legais por motivos diversos.

Diante da demanda, a Santa Casa e os demais hospitais de Montes Claros não suporta mais. Os esforços da Santa casa - Convenorte e a Procuradoria do Estado de Minas Gerais, a população que tanto sofre com as dificuldades de atendimento de emergência, espera com ansiedade o descongestionamento nas filas do trauma; clínica-cirúrgica e ortopédica!

Um hospital novo com equipamentos modernos e médicos e auxiliares capacitados o Hospital de Trauma, Urgência e Emergência Clínica-Cirúrgica e Ortopédica – será uma referência para o Brasil!

XX – IV – XXIV
(*) José Ponciano Neto é ex-Venerável da Loja maçônica Deus União e Trabalho nº 3.310 – Membro da Loja Maçônica União, Paz e Justiça nº 1.781 -- Suplente de Dep. Federal no Grande Oriente do Brasil em Brasília DF. CIM: no GOB nº 243.540

Siga pelo Twitter @montesclaroscom Inscreva-se aqui para receber o Maillist
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a

Mensagem N°87065
De: Afonso Cláudio Data: Quinta 18/4/2024 18:08:24
Cidade: Montes Claros/MG

22 acidentes de trânsito em 13 dias: 29 mortos e mais de 59 feridos

I) Destaques

1) montesclaros.com: "Ônibus tombou já perto de Porto Seguro (em Teixeira de Freitas) e matou 9 pessoas, na madrugada desta quinta-feira. Há 23 feridos. Quinta, 11/04/24 - 8h07."

O ônibus fazia o trajeto Rio-Porto Seguro, pela BR-101.
O acidente aconteceu no km 885, por volta das 4h24m.
34 pessoas estavam no veículo, com capacidade para 44 passageiros.
Uma das causas possíveis do acidente teria sido "velocidade incompatível", de acordo com investigação preliminar da Polícia Rodoviária Federal.
O trajeto completo da viagem é de cerca de 1.100 quilômetros e a duração de 20 horas.

2) g1/ES, 13/04/24, 08h57: "5 pessoas morreram e uma ficou ferida após um acidente envolvendo 2 carros e 2 carretas na BR-101, em Presidente Kennedy, no Sul do Espírito Santo, na noite de 6a. feira (12).
Segundo informações da PRF, uma carreta vinha em sentido contrário e invadiu a contramão, colidindo com um Corolla.
Horário do acidente: por volta de 23h50. Km 435,3.
Todas as pessoas que morreram no local eram do Corolla."

3) montesclaros.com: "Ônibus que ia para Capelinha - a 317 km de Montes Claros - capotou na madrugada. Há 7 mortes confirmadas... Quarta, 17/04/24 - 9h25"
Rodovia: MGC-120, madrugada de 17/4/24, entre São João Evangelista e São Pedro do Suaçuí.

O g1/GM publicou às 8h36 de 17/04/2024 que o acidente ocorreu por volta das 3h30, que o número de feridos era 15 e que o motorista do ônibus disse que tentou desviar de cachorros na pista e o veículo tombou.

Os acidentes destes 3 itens ocorreram à noite/madrugadas, quando não há luz natural e os riscos de graves/gravíssimos acidentes são maiores, com veículos de grande porte: 1 ônibus com 34 passageiros, viajando do Rio para Porto Seguro, pela BR-101, com previsão de 20 horas de viagem e outro, com mais de 22 passageiros, no trajeto BH-Minas Novas, pela MGC-120, com 7 horas de viagem prevista, conforme o g1/JH e carretas na BR-101, no Sul do Espírito Santo.

4) Houve 4 acidentes envolvendo motocicletas, resultando em 2 mortos, 1 ferido grave e 2 feridos:

a) montesclaros.com:
"Acidente de moto mata rapaz de 25 anos (ou 19) em avenida de M. Claros, nesta tarde de segunda-feira. Segunda, 15/04/24 - 16h34"
"Local: Av. João Luiz de Almeida/Rua Bocaiuva. Colisão carro e moto."

b) g1/GM-MG2: "Jovem, de 20 anos, fica gravemente ferido em acidente registrado em Montes Claros".
"Local: Av. Nossa Senhora de Fátima - Bairro São Judas. Segunda, 15/04/24 - 19h24m
A vítima teve traumatismo crânio-encefálico grave e traumas no rosto. Colisão carro e moto."

c) g1/GM-MG1: "Acidente entre carro e moto deixa duas pessoas feridas em Montes Claros. Segunda, 15/04/24 - 11h52".
"Local: Vila Brasília. Colisão carro e moto."

d) montesclaros.com: "Cantor sertanejo morre aos 47 anos, em Janaúba, e prefeitura emite nota de pesar. Quarta, 17/04/24 - 7h38."
"...acidente de bicicleta na Av. Osvaldo Cruz. Ele foi atingido por motocicleta e morreu no Hospital Regional."

II) Gravidade dos acidentes, em ordem decrescente, em função dos números de mortos e feridos

Classif. / Rodovias / Quant. acidentes / Mortos / Feridos

1º BR-101 2 14 24
2º MGs 3 8 20
3º ZUs 8 3 6
4º BR-251 6 2 6
5º BR-135 3 2 3
Totais 22 29 59

ZUs = Zonas urbanas

Que os motoristas dirijam com todo o cuidado e responsabilidade os seus veículos, prevenindo-se dos acidentes e respeitando as leis e sinalizações do trânsito.

Que o Pai Nosso nos proteja de todos os perigos.
Que os falecidos tenham o descanso eterno e brilhe para eles a Vossa luz.
E seus parentes e amigos tenham o consolo da Divina Misericórdia.

Afonso Cláudio - Engenheiro
18/4/2024, 17h57m.

Siga pelo Twitter @montesclaroscom Inscreva-se aqui para receber o Maillist
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a

Mensagem N°87064
De: Manoel Hygino Data: Quinta 18/4/2024 09:05:50
Cidade: Belo Horizonte

Ainda sobre 1964

Manoel Hygino

Não se disse tudo sobre o golpe de 1964. Ou revolução, como preferem outros considerá-la. Inúmeros os mortos, feridos, expulsos do país, fugitivos. O ambiente se caracterizara pela intolerância, pela disposição de mudar um quadro muito anteriormente esboçado e preparado.

Quando finalmente se deu largada para a publicação de um livro revelador como “Memórias: A verdade de um revolucionário”, muitos anos tinham decorrido, como bem o sustenta o próprio autor, o general Olympio Mourão Filho, com apresentação e utilização de arquivos do historiador Hélio Silva.


O general que comandou a tropa que partiu de Juiz de Fora para o Rio de Janeiro, em 31 de março de 1964, confessa que ele próprio “não pretendia escrever, nem muito menos publicar este livro”.

“Explica que aqueles que assim procedem terminam sem importância, com prejuízo do geral, objeto da História; ou, ainda, dominados pela paixão despertada ao sabor dos acontecimentos, falseá-los, o que ainda é pior; além disto, como a História não é um relato puro e simples, é necessário tempo para o exame das reações e consequências, que não podem ser adivinhadas”.

Diz o velho general: “Minha intenção era deixar apontamentos relativos aos fatos, a fim de permitir a historiadores futuros, não envolvidos diretamente neles a tarefa de relatar imparcialmente os eventos, desprezando as minúcias, fazendo luz sobre o fato geral e tirando as consequências que só o futuro pode mostrar”.

Com os anos, Mourão sentiu que era dever escrever. “Para restabelecer a verdade para destruir os falsos e numerosos heróis, a começar por mim próprio, que não pratiquei nenhum, heroísmo. Para fazer aluir a pretensão de falsos chefes da Revolução”.

Afirma, peremptoriamente: “Meu verdadeiro e principal papel consistiu em ter articulado o movimento em todo o país e depois ter começado a Revolução em Minas. Se nós não o tivéssemos feito, ela não teria sido jamais começada”.

Tanto anos decorridos de 1964, ler o que conta Olympio Mourão é válido. Pairam ainda dúvidas ou controvérsias sobre a revolução/golpe, que repercute na vida, de cada brasileiro e de todos, em nossos dias, em outro século e sob outras circunstâncias.

Uma coisa é certa e insofismável. O livro do general ajuda, e muito, a entender os acontecimentos de décadas transpostas. Não sei se o volume é encontrado ainda em livraria; ou em algum sebo, talvez.



Siga pelo Twitter @montesclaroscom Inscreva-se aqui para receber o Maillist
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a

Mensagem N°87063
De: Manoel Hygino Data: Terça 16/4/2024 09:20:55
Cidade: Belo Horizonte

O nosso petróleo

Manoel Hygino

Josué Montello é nome consolidado como um dos grandes escritores brasileiros no século passado. Conviveu com os maiores de seu tempo, mas também com diplomatas, políticos e, enquanto se dedicava à literatura, fazia anotações em cadernos próprios, dos quais não se apartava. Confessava: "Nada mais sou do que escritor. Escritor pela graça de Deus. Não me deduziram outros títulos. Não busquei outras recompensas. E, se tivesse de reviver esta vida, queria vivê-la com igual pendor”.

Acrescenta: "Já descendo a outra encosta da vida, a nada mais aspiro do que este canto, esta folha de papel, esta caneta, estes livros e a luz desta mesma lâmpada, enquanto ouço perto de mim os passos da companheira perfeita, outra dádiva de Deus".


Concluída a sua obra como romancista, pôde voltar-se para a publicação de seus diários, valiosos pela sua qualidade literária, mas também pelo conteúdo, porque neles encontramos referências a episódios que não exigiram as numerosas e cuidadosas páginas da ficção.

No "Diário da Manhã", editado pela Nova Fronteira em 1984, Montello anotou em 16 de dezembro de 1953: "Vargas, há dois meses, deu um passo arrojado, que o restituiu aos dias em que criou Volta Redonda; assinou a lei que instituiu o monopólio estatal do petróleo, criando a Petrobras”.
No Hotel Glória, onde vou visitar o Ministro João Neves da Fontoura, este me diz, com ar consternado, ao pé da orelha, no momento em que vem deixar-me à porta do elevador:

- Getúlio semeou ventos; vai colher tempestades. A esta hora, já estou querendo ver onde me abrigar durante o temporal".

Decorridos tantos anos, decênios até, fica-se a meditar sobre o pensamento do antigo ministro Neves da Fontoura. Depois do movimento do Petróleo é Nosso, que reuniu nas capitais a juventude entusiasmada com a possibilidade de o Brasil libertar-se da dependência ao jugo óleo negro, somados aos comunistas que não eram poucos, a empresa estatal deu e dá fortes dores de cabeça aos chefes de governo. Lembre-se da Lava Jato, por exemplo, e quantos tiraram proveito dos lucros da estatal, ilicitamente.

A mais recente ou atual crise na Petrobras ganhou corpo após o seu Conselho de Administração reduzir o pagamento de dividendos, guardando o lucro de R$ 43,9 bilhões para reserva da remuneração de capital. Com isso, a União, principal acionista da estatal, deixaria de receber R$ 12 bilhões, o que desagrada ao governo de forma geral, além de colocar o nome do presidente Jean Paul Prates na mira do Ministério de Minas e Energia e de outros ministros palacianos. Esperam-se decisões importantes na reunião do dia 25.

Siga pelo Twitter @montesclaroscom Inscreva-se aqui para receber o Maillist
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a

Mensagem N°87062
De: José Ponciano Neto Data: Terça 16/4/2024 08:31:59
Cidade: Montes Claros- MG  País: Brasil

BARRAGEM DE JURAMENTO DO SISTEMA VERDE GRANDE

16 ABRIL 2024

Aos 16 dias do mês de Abril, a Barragem de Juramento (foto), unidade do Sistema Verde Grande computa 98,40 % da sua capacidade total.

As “estações pluviométricas particulares e empresas de reflorestamento” instaladas nas Bacias Hidrográficas que contribuem para a barragem, já registraram 1.102,5 milímetros(mm) de chuvas de Outubro/23 a Abril de 2024. - O mês de Abril acumula 71,6 mm.

A cidade de Montes Claros possui 417.478 habitantes que são abastecidos por seis captações, sendo: Rio São Francisco em Ibiaí-MG > Barragem de Juramento MG > captação superficial do Rio Pacuí em Coração de Jesus > Lapa Grande (11,0 % do abastecimento) > Rebentão dos Ferros (Nova Esperança) e Barragem dos Porcos (KM 6,5 - BR 365) – além uma vasta bateria de poços profundos (conhecidos como artesianos) – estas captações distribui diariamente 95,04 milhões de litros.

A mais recente pesquisa do Instituto Trata Brasil, mostra que 47,06 % da água tratada em Montes Claros é perdida indica que é um dos índices mais altos do Brasil – enquanto Uberlândia – cidade bem maior, com 714.000 habitantes, tem um dos menores índices de perda na distribuição, são 24,73% - é a 3ª melhor cidade em saneamento do Brasil.

Perda de água na distribuição e na produção, induz a majoração tarifária.

Não é só o Instituto Trata Brasil que vem comparando as gestões das companhias de saneamento por cidade e capitais. Em geral, todos institutos de pesquisa mercadológica, visam estabelecer uma hierarquização, empregando vários indicadores; dentre eles o desempenho físico dos sistemas - universalização e outros de caráter financeiro.

Investi muito, e as perdas não baixam. - Aí não bate!

XVI – IV - XXIV
José Ponciano Neto é Técnico em Recursos Hídricos /Meio Ambiente – Ex- Supervisor de Gestão de Barragens e supervisor de Estação Climatológica com tanques Classe A – Membro do Instituto Histórico e Geográfico de Montes Claros -IHGMC e da Academia Maçônica de letras do Norte de Minas.

Siga pelo Twitter @montesclaroscom Inscreva-se aqui para receber o Maillist
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a

Mensagem N°87061
De: José Ponciano Neto Data: Sábado 13/4/2024 13:51:49
Cidade: Montes Claros- MG  País: Brasil

COPASA: ÁGUA ACUMULADA EM RESERVATÓRIO ABERTO – HOSPITALEIRO DO AEDES AEGYPTI.

A Legislação brasileira é enfática; SANEAMENTO não é apenas os serviços de água e esgoto! Inclui, drenagem e limpeza urbana (manejos de resíduos sólidos) e outros direitos do cidadão, dentre eles a prevenção contra a doenças viróticas - ou melhor as abordadas em saúde coletiva.

O combate às doenças não é somente de responsabilidade das esferas governamentais, e sim, de toda população e principalmente das companhias de saneamento.

Mas, não é isto que vem acontecendo com a Copasa e Montes Claros. Na Estação de Tratamento de Água (ETA) do Bairro Morrinhos, um reservatório (fotos) que está aberto há muitos anos, virou um potencial criadouro dos mosquitos da dengue. Como bem sabemos, a água quando fica acumulada a céu aberto (desprotegida) diluída com a água de chuva, acaba criando ambiente favorável à reprodução do Aedes aegypti.

É indubitável, que a universalização da água potável e o tratamento de esgoto são uma das medidas necessárias para combater o mosquito da dengue, mas não ter os cuidados com os pátios da empresa, tudo vai para a água abaixo – desmoraliza os órgãos governamentais, além comprometer a saúde dos moradores mais próximos - dos funcionários das rádios difusoras – da emissora de televisão.

Diante do “case”, a Gerência Regional de Montes Claros provavelmente irá tomar providências - se não - virá comprometer, ainda mais, a imagem do Governo Mineiro e do Gestor Municipal – já que soma à água turva com o odor de enxofre – as constantes faltas d’água em vários bairros da cidade – tudo isso, tem “jogado por terra” todo esforço do Governo de Minas face aos milhões gastos com o Sistema São Francisco e o Sistema Pacuí, para ofertar água com qualidade e quantidade!

Se bem pensarmos; as mazelas em se expõem que: - nada está "politicamente correto"; não tem governo que não sofra e que não se alegre. Tudo depende de momentos e das circunstâncias!

XIII – IV - MMXXIV
José Ponciano Neto é Técnico em Recursos Hídricos /Meio Ambiente – Ex- Supervisor de Gestão de Barragens e supervisor de Estação Climatológica com tanques Classe A – Membro do Instituto Histórico e Geográfico de Montes Claros -IHGMC e da Academia Maçônica de letras do Norte de Minas.

Siga pelo Twitter @montesclaroscom Inscreva-se aqui para receber o Maillist
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a

Mensagem N°87060
De: Manoel Hygino Data: Sábado 13/4/2024 08:44:04
Cidade: Belo Horizonte

O caso Marielle

Manoel Hygino

Não esqueceria. Um dia exatamente após meu natalício, isto é, em 14 de março de 2018, a vereadora carioca Marielle Franco e seu motorista Anderson Gomes foram assassinados na antiga capital da República, após participarem de uma reunião política bem no Centro do Rio de Janeiro.

Foi meia dúzia de anos em investigações, em que se envolveram integrantes de várias polícias, em gestão de dois presidentes da República. Dois ministros da Justiça participaram de levantamentos diversos ao longo do tempo decorrido: Flávio Dino, desde a posse de Lula, e Ricardo Lewandowski, que assumiu o posto após o primeiro demitir-se para ingressar no STF.

Lewandowski, ainda às voltas na caça a dois fugitivos da Prisão de Segurança Máxima de Mossoró, Rio Grande do Norte, afirmou que a prisão dos envolvidos no caso Marielle, no domingo, 24 de março de 2024, “é uma vitória do Estado brasileiro, das nossas forças de segurança do país em relação ao crime organizado”. “Neste domingo chuvoso de março, a verdade começou a ser desvelada”, dizia um texto assinado por membros das famílias enlutadas.

Já na Páscoa, um domingo muito especial, a Polícia Federal prendeu os irmãos Domingos Brazão e Chiquinho Brazão, indicados como mandantes do crime contra Marielle e Anderson, que ocupavam elevados cargos na administração pública carioca. O primeiro era conselheiro do Tribunal de Contas do Estado do Rio e Mano deputado federal pelo partido União Brasil.

Foram também presos: o delegado Rivaldo Barbosa, ex-chefe da Polícia Civil do Rio, e Edilson Barbosa dos Santos, conhecido como Orelha, dono do ferro-velho que desmanchou o automóvel preto usado pelos assassinos, além de Ronnie Lessa, autor dos disparos, Elcio de Queiroz, que teria dirigido o carro na noite do crime e Maxwell Simões Corrêa, o Suel, que participou pessoalmente com medidas oportunamente necessárias, inclusive no desaparecimento da arma utilizada.

Com as prisões, a Polícia Federal considerou encerrada a apuração sobre os mandantes, intermediários e executores do duplo assassinato; Andrei Rodrigues, observa contudo: “Isso não impede que outras situações sejam analisadas”. Andrei é diretor-geral da Polícia Federal atualmente. Ainda: o delegado Rivaldo Barbosa foi demitido da Universidade Estácio de Sá, em que era professor de Direito desde 2003.

E agora: vai-se esperar mais seis anos?

Siga pelo Twitter @montesclaroscom Inscreva-se aqui para receber o Maillist
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a

Mensagem N°87059
De: José Ponciano Neto Data: Sábado 13/4/2024 01:32:29
Cidade: Montes Claros- MG  País: Brasil

Agradeço profundamente o reconhecimento da Rosângela Paris Moura postado dia 11 de Abril, pelo fato de elogiar meu artigo (n° 86.854) publicado neste site tão bem acessado pelos os leitores do mundo inteiro.

Confesso pela sua juventude que não lembro! Mas, meu filho lembra muito bem de você durante o tempo que estudou medicina na nossa terra.

Só lembro da república onde vocês moravam – bem próxima do nosso apartamento.

Em suma, fiquei lisonjeado! Continue lendo neste site as notícias de Montes Claros, os artigos e crônicas tão bem sincronizadas com os fatos do mundo.

XIII – IV – XXIV
José Ponciano Neto é Técnico em Meio Ambiente e Recursos Hídricos.

Siga pelo Twitter @montesclaroscom Inscreva-se aqui para receber o Maillist
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a

Mensagem N°87058
De: Copasa Data: Sexta 12/4/2024 21:57:49
Cidade: Montes Claros

Divulgação da Copasa:

A Copasa informa que, devido à manutenção operacional, o abastecimento de água em alguns bairros da cidade Montes Claros poderá apresentar intermitência nesta sexta-feira (12/04)


A previsão é que a normalização do abastecimento ocorra, gradativamente, no decorrer da manhã deste sábado (13/04).


A Companhia destaca que, nesses casos, os imóveis que possuem caixas d`água podem não sofrer impactos.


Locais afetados: Alphaville, Alterosa, Alto Boa Vista, Bosque das Palmeiras, Chiquinho Guimarães, Condomínio Serrano, Conjunto José, Carlos de Lima, Cristo Rei, Doutor João Alves, Gran Royalle Pirâmide, Jacarandá, Mangues, Maracanã, Maria Cândida, Mirante do Sol, Monte Belo, Morada do Parque, Reserva Real, Residencial Sul, Santa Rafaela, Santo Amaro, São Geraldo II, São João da Vereda, São Judas Tadeu, Vila Campos, Vila Greice, Vila Sion e Vila Telma.

Siga pelo Twitter @montesclaroscom Inscreva-se aqui para receber o Maillist
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a

Mensagem N°87057
De: Rosângela Paris Moura Data: Quinta 11/4/2024 09:09:02
Cidade: Ceará

Matinalmente abro o montesclatos.com para saber das notícias e ler o mural.

Uma das mensagens mais interessante que li no mural foi o artigo do Sr. José Ponciano n° 86.854 do dia 06/09/2023, onde ele escreveu sobre as recorrências das tempestades dos últimos 100 anos.

Hoje mesmo assistir sobre as inundações na Rússia e no Alabama nós Estados Unidos.

Tudo estar se confirmando o que estar no artigo. Parabéns ao Montesclaros.com.

Morei em Montes Claros de 1998 a 2004

Rosângela Paris Moura

Siga pelo Twitter @montesclaroscom Inscreva-se aqui para receber o Maillist
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a

Mensagem N°87056
De: Manoel Hygino Data: Quarta 10/4/2024 09:01:42
Cidade: Belo Horizonte

Apenas uma morte

Manoel Hygino

Esta é uma das funções da Imprensa: fiscalizar as ações do poder público; em suas inações, o que é muito comum. Basta que se acompanhe a sujeira de ruas nas cidades, a intolerância flagrante, a violência crescente, o desrespeito ao patrimônio histórico ou aos monumentos recém-implantados. Uma tristeza de doer.

Por esta coluna, há cerca de dois anos, tecemos elogios à assinatura e ao contrato para construção de uma grande ponte sobre o Rio São Francisco, entre os municípios de Pintópolis e São Francisco, com 1.130 metros de comprimento, de vital importância para toda aquela região, cenário das aventuras de Antônio Dó, personagem do escritor Petrônio Braz, prefeito de várias cidades e conceituado advogado.

Passada a Páscoa, lendo as mesmas folhas, verifico que as obras da ponte estão interrompidas desde a primeira metade de 2023, pois cancelado o contrato com a firma, quando apenas 20% foram concluídas. Uma lástima.

Seriam empregados na construção 11,1 milhões, o que dá uma ideia de sua grandeza e do que ela representaria para toda a área de sua influência, cuja população terá de voltar a fazer a travessia nas lentas balsas de anteriormente, retardando o transporte entre as margens do rio da unidade nacional.

O DER-MG informa que vai abrir licitação para a finalização, mas até que as providências legais sejam concluídas mais tempo será consumido e não há previsão para retomada da construção.

O prefeito de Francisco Sá, Levy Lopes, diz que a interrupção das obras "desacelera o progresso do município". O secretário-executivo e coordenador da Defesa Civil de Pintópolis, Nilson Pereira Ruas, lamenta que os moradores, incluindo os pequenos produtores rurais, tenham de pagar a conta do atraso.

Segundo ele, sem a ponte, tudo fica mais difícil. "Temos problemas diariamente para a travessia de balsa. Às vezes, as pessoas precisam esperar até três horas para cruzar o rio". Aquele expressivo território de Minas Gerais pode perfeitamente adquirir maior importância e muito beneficiar o estado e os que o habitam. Quem lê a história da região conhece as dificuldades e os desafios que ela tem enfrentado desde os anos 1.500. É isto mesmo. Aquele pedaço do chão mineiro é sobremodo valioso em termos de história, teremos de esperar mais, no entanto.

Siga pelo Twitter @montesclaroscom Inscreva-se aqui para receber o Maillist
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a

Mensagem N°87055
De: Manoel Hygino Data: Sábado 6/4/2024 07:32:55
Cidade: Belo Horizonte

Meu amigo Pedro

Manoel Hygino

O presidente da Academia Mineira de Letras, Jacyntho Lins Brandão, não deixa a peteca cair. Para a Semana Santa, programou um belo programa, para a terça-feira, 26 de março. Deste modo, a partir das 19h30, recebeu Tadeu Sarmento para uma palestra do escritor pernambucano sobre um tema que passa quase ignorado pelos interessados na história nacional.

Tadeu Sarmento tem 47 anos, já editou 13 livros, entre romances, contos, poesia e biografia e já conquistou vários prêmios importantes, o que é uma distinção a que muitos aspiram na difícil existência de escritor.

O autor, com propriedade, discorreu sobre seu livro mais recente "Meu amigo", lançado pela editora Abacatte, em que resgata interessantes momentos e fatos da vida do primeiro e único imperador nascido no Brasil. O escritor da terra de Gilberto Freyre conta a difícil infância de Pedro II, sem brinquedos, marcada por rotina de obrigações e estudos que o tornaria o mais jovem imperador da história. Segundo os editores, o volume é um convite a que os jovens reflitam sobre o direito das crianças à sua própria infância.

Em 1841, um dia antes de ser coroado imperador do Brasil aos 15 anos de idade, Dom Pedro II foge do palácio na companhia de Gato, amigo fiel e filho do sapateiro real, para viver seu único dia de criança pelas ruas e praias da cidade do Rio de Janeiro do século XIX. "Dom Pedro II foi de fato um personagem controverso de nossa história, ou um personagem importante (...) Culto, progressista e apaixonado pelo país, o imperador foi, sobretudo, uma criança que não teve infância, ou um garoto cuja infância foi roubada pelas altas expectativas que tinham a seu respeito".

Segundo Tadeu Sarmento, o progressista Dom Pedro II, seu amor pelo Brasil e sua simpatia pela causa abolicionista fazem crer que a história contada em "Meu amigo Pedro é possível, ou absolutamente verossímil”.
O direito à infância é tema principal também em mais três livros escritos pelo autor, com foco nos jovens leitores: "O cometa é um sol que não deu certo”, (infâncias interrompidas pelo abuso sexual); “Sundiata, o filho de Sogolon” (infâncias interrompidas pela alta expectativa dos adultos em relação aos filhos). "Garantir o direito à infância de todas as crianças é garantir um futuro em que adultos tenham sido crianças que não precisam envelhecer rápido e que, por isso, se tornam saudáveis", concluiu.

Tadeu Sarmento, a despeito de tudo o que já produziu, ainda não goza do prestígio a que faz jus, em quase cinco décadas de produção.

Siga pelo Twitter @montesclaroscom Inscreva-se aqui para receber o Maillist
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a

Mensagem N°87053
De: Afonso Cláudio Data: Domingo 7/4/2024 14:09:58
Cidade: Montes Claros/MG

Ataques de cães muito perigosos

montesclaros.com:
"Pitbull de origem desconhecida ataca no campo: "... se refugiou dentro do seu veículo para se proteger dos ataques do cão, e (...) suas 2 filhas, sendo uma de 11 anos e outra de 16 anos, haviam ficado presas dentro da sua residência devido a presença do cachorro no seu quintal"
Sábado 06/04/24 - 23h43"

Como já foi divulgado nos últimos 2 dias, a escritora e poetisa Roseana Murray, de 73 anos, foi atacada na manhã de sexta-feira, 05/04/2024, por três cães da raça pitbull, em Saquarema, Região dos Lagos, Estado do Rio de Janeiro, na rua onde mora, no bairro Gravatá.

Ela foi levada em estado grave, de helicóptero, para o Hospital Estadual Alberto Torres, em São Gonçalo, na Região Metropolitana do Rio.

Após mais de 4 horas de cirurgia e por conta da gravidade das mordidas, Roseana teve que amputar o braço direito. Ela também perdeu uma orelha.

O braço esquerdo foi reconstruído, assim como o lábio.

Uma amiga de Roseana disse que esses pitbulls já morderam outras pessoas e os casos já foram registrados em delegacia.

Conforme a matéria do g1/Rio, de 06/04/2024, 10h38, "desde 2005, a lei estadual 4.597 determina que animais das raças pitbull, fila, doberman e rotweiller só circulem por locais públicos - como ruas, praças, jardins e parques - sendo conduzidos por maiores de 18 anos, usando guias e focinheiras apropriados."

Na noite de 05/04/2024, agentes da 124ª DP (Saquarema) prenderam as três pessoas que cuidavam dos cães que atacaram a escritora.
Eles foram presos em flagrante pelo crime de maus-tratos de animais.

Segundo o delegado responsável pelo caso, os presos também vão responder pelos crimes de omissão de cautela de animais e lesão corporal.

Ficam a sugestão e o alerta para que as autoridades também promovam fiscalizações e treinamentos preventivos contra esses ataques, para os responsáveis por animais tão perigosos, que podem mutilar gravemente ou até matar suas vítimas, pelas mordidas extremamente fortes que produzem no ímpeto da sua violência.

O risco existe, em qualquer Estado ou país. A prevenção é indispensável, podendo evitar ferimentos graves e mortes, inclusive.

Que o Pai Nosso nos livre do mal.

Afonso Cláudio - Engenheiro
14:00 hs, 07/04/2024 - Festa da Divina Misericórdia

Siga pelo Twitter @montesclaroscom Inscreva-se aqui para receber o Maillist
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a

Mensagem N°87052
De: Manoel Hygino Data: Terça 9/4/2024 09:02:23
Cidade: Belo Horizonte

A América ainda

Manoel Hygino

Constitui sempre problema falar sobre os países latino-americanos, em face das reiteradas mudanças de governo e de presidentes. É o caso, por exemplo, do Equador, que tem menos de 280 mil quilômetros quadrados e que já foi tido como território de paz e cordialidade.

Com população predominantemente cristã e menos de 14 milhões de habitantes, viveu um período bastante longo e firme, com economia baseada em produtos agrícolas exportáveis como café, cacau e predominantemente, bananas, de que é um dos maiores produtores mundiais e de venda externa.

Com 50% de seu petróleo exportado, o Equador esteve em apreciável tranquilidade interna e adotou o dólar como moeda oficial, depois de grande crise econômica em 2020. Mais recentemente enfrenta o narcotráfico, que conduz a população ao medo e a regimes políticos de instabilidade.

Na primeira semana de abril, registrara-se uma nova onda de violência, que provocou três massacres em dois dias. O país, de passado relativamente tranquilo, pois, está mais recentemente sob comando de quadrilhas que disputam violentamente as rotas do narcotráfico.

O ciclo de violência causou o aumento da taxa de homicídios, que cresceu de 100 mil habitantes em 2018, para o recorde de 43 por mil habitantes para 100 mil em 2023.

As agências informativas publicam que o primeiro massacre foi numa sexta-feira, antes da Semana Santa, quando quatro pessoas, entre as quais um militar, foram assassinadas na cidade de Manta, departamento de Manabi. Logo em seguida, outro ataque se registrou na área de Guasmo, na cidade de Guayaquil, Sudoeste do Equador e a maior cidade do país. Oito pessoas foram mortas a tiras a tiros e outras oito ficaram feridas e estão sob proteção policial.

Um grupo de turistas também foi assassinado em uma praia do Sudoeste por traficantes. Ao presidente Daniel Noboa, que decretara estado de exceção, restou enviar condolências às famílias das vitimas. Assim, somos na América.

O grupo de turistas não tinham vínculos com organizações criminosas, mas os agressores “aparentemente teriam confundido esses indivíduos com seus adversários na disputa pelo micro-tráfico na região”.

Em verdade, o estado de exceção não conseguem evitar o pior no continente que Colombo, bem mais ao Norte, descobriu.

Siga pelo Twitter @montesclaroscom Inscreva-se aqui para receber o Maillist
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a

Mensagem N°87051
De: Afonso Cláudio Data: Sexta 5/4/2024 10:20:22
Cidade: Montes Claros/MG

60 acidentes de trânsito em 2024

I) Acidentes anotados entre 2/1/2024 e 3/4/2024
em rodovias que ligam cidades do Norte (grande maioria), Centro, Noroeste e Triângulo de Minas Gerais, entre si e a outros Estados, zonas urbanas e rurais;

Mensagem / Data / Acidentes / Mortos / Feridos / Datas das notícias
86987 29/1/24 31 18 75 2/1 a 24/1/24
87003 16/2/24 13 14 27 10/2 a 13/2/24
87005 17/2/24 6 12 11 15 a 16/2/24
--- 3/4/24 10 8 11 28/2 a 3/4/24
Totais 60 52 124

Em 3 meses de 2024, 60 acidentes resultaram em 52 mortos e 124 feridos.
Conforme a mensagem 86968, de 3/1/2024, 400 acidentes anotados resultaram em 264 mortos e 679 feridos, entre 18/2/2022 e 31/12/2023 (1,9 anos ou 23 meses).

II) Projeções de mortos e feridos, com base nos totais entre 2/1 e 3/4/2024 e mensagem 86968.

400/60 x 52 = 347 mortos
400/60 x 124 = 827 feridos

Faixas prováveis:
mortos: de 264 a 347
feridos: de 679 a 827, em 23 meses.

Estas projeções, muito elevadas e gravíssimas, poderiam e deveriam ser reduzidas através de providências como as sugeridas na mensagem 86968 e/ou outras não citadas na mesma.

Saúde e paz.

Afonso Cláudio - Engenheiro
5/4/2024, 10h6m.

Siga pelo Twitter @montesclaroscom Inscreva-se aqui para receber o Maillist
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a

Mensagem N°87050
De: Manoel Hygino Data: Quarta 3/4/2024 10:31:10
Cidade: Belo Horizonte

A porteira do crime

Nenhuma hora seria mais propícia ao esclarecimento de numerosos casos pendentes de solução no âmbito da administração pública do que a que ora o Brasil chegou. Penso que as revelações do caso Marielle desperta a nação que não queria mais acreditar na Justiça diante das delongas que conduziam às prescrições ou ao cancelamento de pesadas punições que se aplicariam aos temíveis beneficiários de indevidos favores públicos. A ascensão de um novo procurador-geral da Justiça indica simultaneamente a possibilidade de dar fim e punir os criminosos que imensos prejuízos causaram e causam ao patrimônio e tesouro públicos. Lembrei aqui, há algum tempo, o caso da J&F, que é apenas um entre tantos casos.

Em fevereiro último, o jornalista e professor Aylê-Salassié Filgueiras Quintão, atento ininterruptamente, também ingressou no indigesto assunto, mais uma vez, com coragem. Registrou, então: “Nesses dez a quinze anos, tempo de três a quatro mandatos presidenciais, e metade do tempo das aposentadorias no Supremo Tribunal Federal, se se somar os desvios de recursos públicos da Lava Jato e do Mensalão - este sempre lembrado na discussão das tais emendas parlamentares -, a soma dos dois inquéritos políticos policiais representaria um prejuízo ao Tesouro Nacional superior a 20 bilhões de reais. Para ficar na Lava Jato. Cinco anos de investigação, 285 condenações, 600 réus e 3.000 anos de penas de prisão. Só no STF foram 300 inquéritos e deflagradas 60 fases desde 2014. O fato está registrado na História do Brasil, na mente e no coração dos brasileiros como a maior investigação de corrupção e lavagem de dinheiro ocorrida no País. A Lava Jato gerou a expedição de 1250 mandados, 140 condenações e detectou logo R$ 800 milhões desviados só dos cofres da Petrobras. O rombo generalizado é muito superior e está tipificado, como crime, na legislação, conforme mostram pesquisas de duas jornalistas ligadas ao campo jurídico, Brenda Lícia e Heloisa Sousa, seguindo o relatório da Lava Jato(...).

A investigação da Lava Jato gerou quase 2.000 ações de buscas e apreensões pela Polícia Federal, resultando em 244 ações penais, 349 prisões preventivas e 211 prisões temporárias. Ao todo, foram denunciadas 981 pessoas, entre empresários, líderes políticos, ministros, inclusive dois presidentes da República”(...).

Siga pelo Twitter @montesclaroscom Inscreva-se aqui para receber o Maillist
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a

Mensagem N°87049
De: Afonso Cláudio Data: Terça 2/4/2024 10:13:52
Cidade: Montes Claros/MG

Fiscalização PRF

Entre a madrugada de 28/3/2024 até às 23h59m de 31/3/2024, a Polícia Rodoviária Federal realizou fiscalização do trânsito de veículos nas estradas federais das 5 regiões do Brasil, no período da Semana Santa.

I) Manchetes:

1) 28/3/24: "PRF reforça fiscalização para evitar uso do celular ao volante".

2) 31/3/24: "Caminhão com botijões de gás explode em rodovia federal, no Paraná".
"Próximo das 11 horas - caminhão transportava gás; o motorista morreu carbonizado". "Não sobrou nada do caminhão".
Local: trecho de curva na BR-277, em Nova Laranjeira, centro do Paraná.
Rodovia ficou interditada por mais de 2 horas.

3) 1º/4/24: "Número de casos de embriaguez ao volante aumenta 116% no feriado de Páscoa."

4) 1º/4/24: "Polícia de Pernambuco investiga as causas de um acidente com micro-ônibus, que matou 5 pessoas". "Veículo atropela fiéis durante uma procissão. Pelo menos 5 morreram e mais de 20 ficaram feridos." Local: Jaboatão dos Guararapes, RM Recife, Bairro Marcos Freire.

5) "Motorista de Porsche, de R$1 milhão, bate em Renault Sandero, mata condutor* e foge em SP".
*homem de 52 anos, madrugada de 31/3/24.

"Motorista* de Porsche, que matou condutor de Sandero e fugiu, é indiciado por homicídio doloso". g1/SP, 01/04/2024, 16h27m.
*24 anos
Limite de velocidade para a Avenida Salim Farah Maluf: 50 km/h.
Testemunhas contaram que veículo Porsche estava acima da velocidade permitida, o que ficou registrado por câmeras de segurança, com muita nitidez.

Os itens 4 e 5 não são acidentes em BRs e sim em zonas urbanas, mas foram gravíssimos e de fortíssima repercussão em todo o Brasil.

II) Comparações 2023 x 2024 (Semanas Santas em BRs)

1) Acidentes: 2023 819; 2024 800. Redução de 2,32%. PRF registrou 800 acidentes em 2024 e alta de multas por uso de celular.

2) Excesso de velocidade: 2023 19.051; 2024 28.301. Aumento de 48,55%.

3) Alcoolemia: 2023 740; 2024 1.599. Aumento de 116%.

4) Número de pessoas viajando sem cinto de segurança: 2023 1.121; 2024 2.432. Aumento de 117%.

5) Ultrapassagens irregulares: 2023 4.923; 2024 6.194. Aumento de 25%.

6) Mortes nas rodovias: 2023 61; 2024 54. Redução de 11%.
Exemplos:
BR-158, Santana do Livramento, RS: 4 mortos. Batida entre 1 Van de turismo e 1 caminhão.
BR-251, Unaí, MG: 6 mortos. Colisão entre 2 carros.
BR-040, Nova Lima, RMBH: 5 feridos. Ônibus de turismo bateu na traseira de uma carreta.

7) Uso de celular ao volante: 2023 236; 2024 435. Aumento de 84,3%. Infração gravíssima. Multa R$293,47; 7 pontos na CNH.

Em 7 itens: 5 aumentos e 2 reduções.

Fonte: g1/JH, 1º/4/2024.

Considerando os números do item II, de 1 a 7, vêm algumas sugestões:
- respeitar os limites de velocidade da sinalização da rodovia
- jamais dirigir embriagado ou sob efeito de substâncias ilícitas
- usar cinto de segurança e cadeira para crianças, em viagens curtas e longas.
O DNIT afirma que o risco de morte em acidentes de trânsito reduz 40% se o cinto e a cadeira para crianças forem usados.
- só ultrapassar outros veículos quando houver total segurança
- não usar telefone celular enquanto estiver dirigindo. 1 segundo sem atenção ao volante pode provocar graves acidentes.

Saúde e paz.

Afonso Cláudio - Engenheiro
02/04/2024, 9h58m.

Siga pelo Twitter @montesclaroscom Inscreva-se aqui para receber o Maillist
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a

Mensagem N°87048
De: Manoel Hygino Data: Terça 2/4/2024 11:18:34
Cidade: Belo Horizonte

Justiça criticada

Manoel Hygino

Tem absoluta razão. Refiro-me ao desembargador José Arthur Filho, presidente do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, em recente entrevista. Ele se referiu a problemas enfrentados pela Justiça em nossa época. Um deles - é o mais comumente lembrado - é de que é lenta e termina pela delonga e resultando em injustiça. Com sua prudência e com coragem, não fugiu às críticas, tanto que admitiu a necessidade de uma revisão do que existe para melhor servir à sociedade.

Em verdade, para avaliar a posição correta de sua opinião, bastaria acompanhar os fatos cotidianos pelos veículos de comunicação. Tudo leva a crer que o Brasil não anda porque todas as questões, por mínimas que sejam, são praticamente transferidas ao Judiciário. Diante disso, o Estado se inclina à indesejável situação de a gestão pública se estagnar no campo do Executivo e Legislativo, impedidos de ação por sua transferência ao Judiciário.

A questão não é do juiz ou da Justiça, mas do sistema. Eis o que disse o magistrado: “O sistema de justiça hoje é um sistema falido e precisa ser repensado, por isso, entram as mediações e conciliações. Há também um aspecto cultural. O brasileiro tem que levar menos questões para o Judiciário, tentar conversar mais, ampliar a escuta e o diálogo. Hoje, qualquer problema que se tenha com um vizinho, uma batida de carro, vai para a Justiça”.

“Eu confio muito nas mediações e conciliações. A sentença não é pacificadora, ela tem, às vezes, potencialismo ao litígio. Já as mediações e conciliações, essas, sim, são pacificadoras, porque as partes passam a ser protagonistas do seu próprio destino. Elas é que fazem, através desse consenso, uma decisão que fazem, através desse consenso, uma decisão que seja mais justa ao olhar delas próprias. Então, temos inclusive incentivado muito o Judiciário nesta área”.

A propósito, lembro o artigo publicado em folha belo-horizontina, há bem tempo, que recebeu o forte título de “Falência do Judiciário”, (mas tinha razão), de autoria do professor Antônio Álvares da Silva, professor da Faculdade de Direito da UFMG. Referia-se ao malsinado Mensalão. É que, na condição de revisor do processo, Lewandovski confessou que possivelmente não teria condições de julgar os réus a tempo de impedir prescrições.

Explicou-se: só o relatório do ministro Joaquim Barbosa, relator, tinha mais de cem volumes e já sofria quatro embargos de declaração, 17 embargos regimentais e oito questões de ordem, quase todos negados. Lewandovski, hoje ministro da Justiça, afirmou então que, na condição de juiz, não poderia condenar ou inocentar ninguém.

Siga pelo Twitter @montesclaroscom Inscreva-se aqui para receber o Maillist
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a

Mensagem N°87047
De: José Ponciano Neto Data: Sábado 30/3/2024 08:46:59
Cidade: Montes Claros- MG  País: Brasil

ESTÁDIO MOCÃO: UMA IDEIA DE "SANTOS".

O anúncio da construção do Estádio Municipal “Mocão” me remeteu ao túnel do tempo e resgatei um fato importante para a história desse (futuro) estádio ocorrido na época da minha adolescência. Em outubro de 1971 o prefeito que administrava esta Princesa do Norte, anunciou a “viagem para o futuro” do futebol amador de Montes Claros.

A nova geração de torcedores montes-clarenses pode desconhecer, mas aqui reinavam os times, Cassimiro de Abreu e Ateneu no extenso estadual – os outros times, digo: Ipê – Tiradentes e Ferroviário destacavam mais no esporte local.

Os campos do Cassimiro e do Ateneu eram os melhores enquanto os estádios do Ferroviário e Ipê, eram mais acanhados - suas arquibancadas eram de madeira enquanto dos Cassimiro e Ateneu eram de concreto, vestiários mais modernos e tribunas maiores para a transmissão dos jogos.

Os jornais relembravam os grandes momentos de glória dos times e discutia o que seria feito para O FUTEBOL LOCAL num “futuro próximo”, pois os estádios já começavam a ser inúteis e obsoletos – até viram palco para shows.

Foi aí, que um grande desportista, que atuou em várias modalidades do esporte, teve uma grande ideia! Estou falando do Dr. Pedro Santos (Pedrão 70), médico, apaixonado pelo esporte, com sua humildade, diz: “vamos construir um estádio municipal bem maior que os demais, de modo que o futebol de Montes Claros não desfalecer!”

Vieram os projetos e as negociações das áreas, que na ocasião avançaram muito, mas, com o término do mandato – lembro-me bem! O “Dr. Pedrão 70 não conseguiu realizar o seu sonho – que era também o sonho de todos diretores dos clubes – técnicos e atletas da época!

A Pedra Fundamental do Mocão foi lançada em meados de 1971, mandato do Dr. Pedro Santos, durante o evento, entre as autoridades presentes estavam o diretor da CBF, os militares Heleno de Barros Nunes e do Cel. José Guilherme.

Pois bem! Seis anos depois, o prefeito Sr. Toninho Rebello retomou a ideia – contratou uma empresa para o novo projeto do estádio Mocão, o Engº foi o Hélio (não lembro o sobrenome) – este acompanhado dos engenheiros da administração.

A área do Mocão de 45.000m³ foi negociada com a família de José Magalhães da tradicional família Delfino Magalhães. Na época a negociação da área foi a mais afável possível: 80% foi doada pelo o Magalhães e 20% negociados em suaves prestações.

Este estádio já “consumiu” mais de 4 milhões e sequer terminou fantasmagórica Vila Olímpica prevista - parte da sua verba foi realocada para a construção de um estádio varzeano no Bairro Sumaré.

Agora, mais de “meio século” a Prefeitura de Montes Claros divulga o processo licitatório do projeto do Estádio Mocão que terá a capacidade de 20.000 lugares nas arquibancadas em concreto armado, um novo avanço para o esporte de Montes Claros - principalmente se anexarem ao estádio uma pequena Vila Olímpica (Moquinho). – O “moquinho” nos anos pretéritos consumiu um milhão e quinhentos mil reais... as ferragens(...)

Acreditamos que o sonho do Dr. Pedro Santos (Pedrão 70) se realize. A família do Pedrão 70 – especialmente o seu filho Toni Santos (também foi atleta), sentirá honrado se o estádio levar o nome de um dos maiores atleta que Montes Claros concebeu – “Estádio Desportista Dr. Pedro Santos”

O carismático Dr. Pedro Santos formado em medicina no Rio de Janeiro foi jogador de futebol – basquete e atletismo.

- Esperamos que desta vez o Mocão saia do papel (projeto).

Resumindo: O idealizador do Estádio Municipal (Mocão) foi o Dr. Pedrão 70” – um visionário!


XXX – III – XXIV

José Ponciano Neto é Escritor – Historiador membro da Academia Maçônica de Letras do Norte de Minas – AMALENM e do Instituto Histórico e Geográfico de Montes Claros - IHGMC

Siga pelo Twitter @montesclaroscom Inscreva-se aqui para receber o Maillist
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a

Mensagem N°87046
De: José Ponciano Neto Data: Domingo 31/3/2024 16:33:57
Cidade: Montes Claros- MG  País: Brasil

BARRAGEM DE JURAMENTO DO SISTEMA VERDE GRANDE
31 de Março 2024

A Barragem de Juramento unidade do Sistema Verde Grande TERMINA o terceiro mês de 2024 com 98,70 % da sua capacidade total, é o nível mais alto dos últimos anos (veja gráfico).

Os pluviômetros e pluviógrafos instalados na região de Juramento já registraram 1041,02 milímetros(mm) de chuvas.

A cidade de Montes Claros possui 417.478 habitantes que são abastecidos por seis captações, sendo: Rio São Francisco em Ibiaí-MG > Barragem de Juramento MG > captação superficial do Rio Pacuí em Coração de Jesus > Lapa Grande (11,0 % do abastecimento) > Rebentão dos Ferros (Nova Esperança) e Barragem dos Porcos (KM 6,5 - BR 365) – além uma vasta bateria de poços profundos (conhecidos como artesianos) – estas captações distribui diariamente 95,04 milhões de litros.

A triste da história! - Segundo o Instituto Trata brasil, 47,06 % corresponde a perda da água distribuída através das tubulações antigas – furto de água e nas lavagens dos filtros das Estações de Tratamento de Água (ETA’s). ou seja, diariamente, 44,7 milhões de litros escapam pelos “ralos” embaraçando a receita líquida (faturamento) da Copasa.

Com relação a qualidade da água; os clientes dos bairros que recebem água do Sistema Verde Grande (barragem Juramento) continuam reclamando do cheiro de enxofre (gás sulfídrico) e da cor amarelada.

XXXI – III - MMXXIV
José Ponciano Neto é Técnico em Recursos Hídricos /Meio Ambiente – Ex- Supervisor de Gestão de Barragens e supervisor de Estação Climatológica com tanques Classe A – Membro do Instituto Histórico e Geográfico de Montes Claros -IHGMC e da Academia Maçônica de letras do Norte de Minas.

Siga pelo Twitter @montesclaroscom Inscreva-se aqui para receber o Maillist
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a

Mensagem N°87045
De: José Ponciano Neto Data: Sábado 30/3/2024 09:19:47
Cidade: Montes Claros- MG  País: Brasil

Foi com muito pesar que recebemos a notícia do falecimento do Professor Wandaick Wanderley ocorrido no dia 27 de março – filho da tradicional e humana família do Sr. Flamarion Wanderley e Dª Raimunda Siqueira Wanderley.

Nascido em Montes Claros – 93 anos – foi professor de matemática na Escola Normal e empresário no setor maquinário.

Wandaick era Irmão do Walduck Wanderlei – Flamariom Wanderley Filho (Dida) Saulo Wanderley e Vergniaud Wanderley e mais cinco irmãs.

Era uma pessoa de uma cultura invejável!

Nossos sentimentos a toda família, em especial a esposa e filhos.

(*) José Ponciano Neto é Escritor e Historiador da AMALENM E IHGMC

Siga pelo Twitter @montesclaroscom Inscreva-se aqui para receber o Maillist
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a

Mensagem N°87044
De: Manoel Hygino Data: Sábado 30/3/2024 07:18:56
Cidade: Belo Horizonte

Urucuia avança

Manoel Hygino

Urucuia conta agora com uma Academia de Letras, o que conduz automaticamente à convicção de que a cidade cresce não apenas economicamente. Eis uma boa notícia que compartilho com a população e, especificamente, com o presidente da entidade Napoleão Valadares, que lá tem berço e com os demais cidadãos que tomaram o mesmo barco. Urucuia tem liames sólidos com Montes Claros, minha unidade natal, unidos, histórica e geograficamente pelo rio São Francisco, que corre para o Norte em território mineiro. Somos água da mesma fonte e muito nos orgulha.

Urucuia tinha e tem tudo para desenvolver-se exponencialmente, contando com a fertilidade do solo e a operosidade de gente que não descansa. Se o São Francisco é um grande caminho da civilização brasileira, fonte de vida e de riqueza, nascido cristalinamente na serra da Canastra para diversificar-se em vários rumos e sentidos, os que vivem à sua margem também foram presenteados com o solo que muito contribui e mais contribuirá para maior desenvolvimento ou retardará. Estão abertas as vias do progresso não restritas evidentemente aos bens materiais.

As povoações geradas às margens da grande corrente se tornaram pródigas em benesses a seus moradores. Poder-se-ia evocar Caminha, que antevia que, naquelas terras, em se plantando tudo nelas renderá. Com o desenvolvimento regional, que tanto já exigiu em forças e sacrifícios, o urucuiano conscientizou-se de que, embora muito materialmente se usufruirá da bondade do solo e da dedicação do homem, há ainda imensamente a aproveitar-se das populações que ali se assentaram em suas manifestações culturais, artísticas e literárias.

Há uma vocação natural para expressão de sentimentos, descrição de episódios passados, mas não pretéritos, visando à perenidade ao que se conseguiu ao longo de décadas, representadas em vidas e obras. Para esse prolongamento dos efeitos do tempo, unem-se, a partir de agora, os urucuianos com sua notória e natural disposição de preservar e venerar o belo e duradouro.

A população está cônscia da importância de sua Academia em benefício da cidade e de seu progresso, inclusive pela escolha de um timoneiro à altura das tradições, ideais que nortearam e norteiam os pródigos filhos de uma das mais belas e progressistas regiões da velha província.

Siga pelo Twitter @montesclaroscom Inscreva-se aqui para receber o Maillist
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a

Mensagem N°87043
De: Afonso Cláudio Data: Sexta 29/3/2024 18:55:45
Cidade: Montes Claros/MG

Vida de Nosso Senhor Jesus Cristo

Revendo a mensagem 86196, de 10/4/2022, referente à "Vida de Nosso Senhor Jesus Cristo", que a Rádio Nacional do Rio de Janeiro levava ao ar na Sexta-feira da Semana Santa, retifico que o texto transcrito após os dados biográficos do jornalista e poeta Giuseppe Ghiaroni é o comentário final e não a introdução da gravação do radioteatro.

Acrescento os parágrafos abaixo, após o asterisco, que consegui transcrever hoje, 29/3/2024:

"Jesus, meu Senhor, nesta Sexta-Feira santificada pela Sua Paixão, pelo Teu sangue, pelas Tuas lágrimas, eu pecador atrevi-me a abrir os Evangelhos e a ler em voz alta para meus irmãos pecadores a Palavra da Tua boca e a mensagem do Teu martírio.

Atrevi-me a tanto porque procurava um caminho para a minha alma e para a minha consciência e queria que outros o encontrassem comigo.

Queria que outros percebessem o quanto és Vivo, o quanto és Real, o quanto és infinitamente Consolador.

Queria que outros sentissem a Tua Presença neste mundo, que parece novo, e é tão velho em seu materialismo impiedoso, ao passo que Tu te renovas a cada dia em Teu imenso Amor e Teu generoso Perdão. Neste mundo que se perde no emaranhado do progresso técnico e científico, sem saber evitar que as próprias máquinas que deveriam libertar o homem não sirvam senão para escravizá-lo.

​E opressores e oprimidos igualmente se temem e se coagem porque O CÉREBRO HUMANO ​AVANÇA PELOS SÉCULOS, MAS O CORAÇÃO NÃO PROGRIDE HÁ 2000 ANOS.

​Senhor, eu permiti à minha boca mentirosa repetir a verdade divina da Tua boca, para fazer sentir que Tu foste crucificado hoje, ainda agora.

Que o Céu ainda se cobre de trevas e estremecem as entranhas da Terra e os mortos se erguem dos túmulos, porque estamos diante de Ti e não somos mais sábios do que os escribas, os fariseus e os príncipes dos sacerdotes que Te pregaram na Cruz.

Enquanto a nossa geração se apressa para a conquista de outros mundos no espaço sideral, não tendo ainda sabido tornar este mundo digno dos Teus enjeitados, dos Teus inocentes e dos Teus pobrezinhos, Tu estás diante de nós e nós não sabemos o que fazer contigo, o que fazer de Ti, o que ser diante de Ti. Se seremos como Judas, que Te entregou aos soldados por 30 dinheiros, como Pedro, que Te negou três vezes, ou como Anás, que Te vestiu de branco e Te mandou a Pilatos, ou como Pilatos, que lavou as mãos do Teu Martírio, ou como Simão Cireneu, que Te ajudou a carregar a Tua Cruz, ou como Tomé, que teve que apalpar as Tuas chagas para crer em Ti.

E porque não sabemos o que fazer contigo, Tu gemes no crucifixo da sala de jantar de cada família onde os filhos não obedecem aos seus pais e os irmãos se voltam uns contra os outros e o egoísmo de cada um faz a cegueira de todos, como se nunca se tivesse ouvido um Sermão da Montanha, como se nunca uma Virgem Maria tivesse chorado lágrimas de sangue, caídas por terra ao pé de uma Cruz.

Senhor Jesus, se algum merecimento tiver diante dos Teus olhos, este meu ímpeto rude, mas sincero de chamar a outrem para perto de Ti, permite que eu atreva mais ainda e peça - e peça não para mim, que sou pequeno e mau - mas para o meu país, que é grande, para o meu povo, que é bom e sofredor.

É um imenso país, com 60 milhões de brancos, negros e mestiços que Te amam, que numa imponente Catedral de metrópole, ou numa exígua capela de beira de estrada, de fazenda, segurando um chapéu de palha esfiapado, aprenderam a venerar o Teu Nome.

Neste momento, eu posso sentir na minha carne, no meu espírito, o frêmito de otimismo que anima este país para o trabalho, para a realização do seu destino e glória do seu futuro.

(*) Senhor, não permitas que esta Terra se torne forte pelo sacrifício dos fracos. Que esta nação se torne grande pela dor dos pequeninos.

Mas permite que, com o progresso alcancemos a justiça, que, com a ciência, alcancemos a bondade, com a riqueza a caridade e nunca o fausto dos ricos signifique a miséria dos pobres e que nunca exerçamos qualquer forma de opressão entre nós mesmos ou sobre outros povos menos felizes, porque toda Roma tem seu declínio, toda Babilônia tem a sua queda e o seu opróbrio, mas o amor e a verdade que ensinaste desafiam os séculos e ficam sempre de pé.

Senhor, que vieste ao mundo num estábulo, aquecido apenas pelo calor dos animais do campo e que morreste crucificado ante os olhos ardentes de Tua Virgem Mãe, Senhor, enxugue as lágrimas de todas as mães brasileiras e, para todo pobre menino brasileiro, que nasça entre os andrajos, Senhor, faze surgir, faze brilhar uma estrela no Céu.

Jesus: "O meu jugo é suave, o meu fardo é leve. Ó vós que estais cansados, maltratados, abandonados e oprimidos, vinde a mim. Eu vos aliviarei."

Produção: Ghiaroni; Direção: Floriano Faiçal ".

Afonso Cláudio
29/3/2024, 18h22m.

Siga pelo Twitter @montesclaroscom Inscreva-se aqui para receber o Maillist
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a

Mensagem N°87042
De: Afonso Cláudio Data: Quinta 28/3/2024 10:44:38
Cidade: Montes Claros/MG

Dengue em Minas Gerais (2024 x 2023)

Dengue em MG / Até 27/3/2023 (1) / Até 26/3/2024 (2) / Aumento (%)

Casos prováveis 131.032 767.733 485,9
Casos confirmados 46.619 294.174 531,0
Casos confirm./100 mh 217,7 1.432,3 557,9
Óbitos confirmados 15 136 806,7
Óbitos em investigação 64 493 670,3

Fontes: (1) Boletim Epidemiológico, SES/MG, 28/3/2023; mensagem 86663, 28/3/2023.
(2) Boletim Epidemiológico, SES/MG, 26/3/2024.

mh = mil habitantes;

"Em relação à febre Chikungunya, foram registrados 67.340 casos prováveis da doença, dos quais 44.017 foram confirmados. Até o momento, 27 óbitos foram confirmados por Chikungunya em Minas Gerais e 26 estão em investigação.
Quanto ao vírus Zika, até o momento, foram registrados 154 casos prováveis. Foram confirmados 15 casos da doença. Não há óbitos confirmados ou em investigação por Zika em Minas Gerais."

Muito cuidado com o perigoso e traiçoeiro aedes aegypti.

Saúde e paz.

Afonso Cláudio

28/3/2024, 10h36m.

Siga pelo Twitter @montesclaroscom Inscreva-se aqui para receber o Maillist
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a

Mensagem N°87041
De: Manoel Hygino Data: Quarta 27/3/2024 07:58:43
Cidade: Belo Horizonte

As várias Minas

Manoel Hygino

Minas não é única, sob muitos aspectos. Basta ler um pouco de sua história para confirmar a veracidade. Não sem razão se tem propalado que Minas são várias, como consagrado por conceituados escritores. Neste março, por exemplo, constatamos como são múltiplas estas terras e gentes.

Em meados do mês, para gáudio geral e felicidade de todos os segmentos, tomou-se conhecimento de que, pela primeira vez na história, o PIB de Minas ultrapassou a casa de R$ 1 trilhão. De acordo com a Fundação João Pinheiro, inteiramo-nos de que a economia mineira cresceu 3,1% em 2023 relativamente ao exercício anterior. O nosso Produto Interno Bruto alcançou resultado tão memorável, que certamente agradaria a ambos governantes.

É confortável apreciar os números e percentuais e conferir que eles decorrem do aumento de nossa produção mineral e do agronegócio, evidentemente sem esquecer o desempenho da indústria de transformação.

O atual governo mineiro se exulta, e não poderia ser de outra maneira, tanto que o chefe do Executivo sublinha que o Estado tem crescido acima da média nacional.

Entretanto, a felicidade não é permanente e total. É o que se demonstra com outros números e áreas. Apanho o pré-título de matéria em jornal belo-horizontino: com quase 54 mil casos prováveis e 21 mortes já confirmadas, incidência da chikungunya segue nas alturas e pode mais elevar-se. Já se registraram 82.714 casos prováveis no país e Minas atinge 53.972 também prováveis, que podem ser menos ou mais, conforme anunciará o Ministério da Saúde tão logo conclua o monitoramento.

E não se trata somente da doença cujo nome é um desafio de digitação para repórteres ou redatores. Há também a dengue. Até o dia 14 deste março findante, conforme o Painel de Monitoramento das Arboviroses da Secretaria de Estado da Saúde, foram notificados 577.229 casos prováveis de dengue em Minas Gerais, dos quais 211.768 confirmados. Há 354 óbitos em investigação e 88 confirmados. A letalidade da doença é de 2,58% sobre os casos de dengue grave ou com sinais de alarme.

Quanto ao vírus zika, há 122 casos prováveis e 14 confirmações. Esse número é o mesmo há dois dias. Entretanto, a SES-MG informa que, desde 2018, não há casos confirmados de zika por métodos diretos de identificação viral, o exame RT-PCR. Por isso, os municípios são instruídos a fazer uma avaliação bastante criteriosa e, após essa investigação, alguns casos são reclassificados por não atenderem critérios para mantê-los como confirmados.

Siga pelo Twitter @montesclaroscom Inscreva-se aqui para receber o Maillist
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a

Página Anterior >>>

Abra aqui as mensagens anteriores: