Receba as notícias do montesclaros.com pelo WhatsApp
montesclaros.com - Ano 22 - segunda-feira, 25 de outubro de 2021

Vacina hoje autorizada contra a malária é histórica também para o Norte de Minas, onde a doença é endêmica há décadas. (Na África, 260 mil crianças, com menos de 5 anos, morrem por ano). Vacina demorou porque malária é doença de regiões pobres

Quarta 06/10/21 - 14h38

Uma decisão históricaa aguardada também pelo Norte de Minas, onde a doença é endêmica:


- A OMS liberou hoje a vacinação ampla contra malária em regiões com alta transmissão.
- O programa piloto já testou a vacina em 800 mil crianças em três países;
- Os estudos vão continuar para avaliar o impacto da vacina.
- A Malária mata 260 mil crianças, só na África, a cada ano.
- A vacina foi autorizada inicialmente para regiões com altas taxas de transmissão, como a África Subsaariana.
- O programa piloto está em andamento em Gana, Quênia e Malaui.
- Mais de 2 milhões de doses de um total de 10 milhões previstos no programa de testes já foram aplicadas.
- A vacina pode salvar 400 mil vidas por ano, no mundo
- A indicação da OMS é para aplicação da vacina "RTS,S/AS01" em um esquema de 4 doses em crianças a partir dos cinco meses: o objetivo é prevenir a doença e reduzir o impacto da malária entre os que forem contaminados.
- A vacina é resultado de 30 anos de pesquisa e desenvolvimento com apoio de entidades e centros de pesquisa africanos.
No estágio final das pesquisas, entre 2011 e 2015, os estudos tiveram financiamento da Fundação Bill & Melinda Gates.
- A OMS avalia que a vacina teve "alto impacto" na vida real, com redução significativa (30%) nos casos de malária grave e mortal.
- A malária é a principal causa de doença e morte de crianças na África Subsaariana: mais de 260 mil crianças africanas com menos de cinco anos morrem de malária anualmente.
- Agora, espera-se a inclusão da vacina como parte das estratégias nacionais de vacinação.
- Toda vida se soube que a vacina nao vinha porque a população atingida é de países e regiões pobres, como o Norte de Minas.

Compartilhe
Siga-nos nas redes sociais